Lacan, as normas de parentesco e a castração masculina

Vinícius Moreira Lima

Resumo


Neste trabalho, tentamos apresentar algumas contribuições da psicanálise lacaniana a certos pontos de tensionamento levantados pelas autoras feministas Gayle Rubin e Judith Butler. Partimos da constatação de que ambas essas autoras abordam a teoria psicanalítica a partir da concepção de parentesco de Lévi-Strauss, cuja consequência é, em alguns momentos, reduzir a psicanálise a um instrumento de reiteração das normas sociais que ela tenciona descrever. Diferentemente, buscamos argumentar que, ao abordar o problema do Pai e do falo na psicanálise, a obra de Lacan nos abre a possibilidade de sustentar uma distância crítica em relação a essas normas, particularmente a partir da posição do psicanalista, que recolhe da clínica os fracassos do funcionamento normativo do social. Assim, mais além dos semblantes de poder e consistência disseminados pelo ideal viril, somos levados a observar que o patriarcado se sustenta por um mito neurótico, ao passo que o falo no real (a despeito das insígnias fálicas que parecem conferir um privilégio simbólico aos seus portadores) constitui uma aflição para o macho, destituindo-o de qualquer segurança na abordagem do sexo. Diante disso, levantamos a hipótese de que as normas sociais buscam encobrir precisamente a castração paterna e a angústia masculina diante do falo, que ficam ocultas sob os semblantes da virilidade.


Palavras-chave


psicanálise; patriarcado; Nome-do-Pai; falo; castração

Texto completo:

PDF

Referências


Referências bibliográficas

Butler, J. (2015). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade (9ª ed.). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Obra original publicada em 1990).

Butler, J. (1993). Bodies that matter: on the discursive limits of ‘sex’. New York & London: Routledge.

Freud, S. (2019). A interpretação dos sonhos. São Paulo: Cia. das Letras. (Obra original publicada em 1900).

Freud, S. (1996). Notas sobre um caso de neurose obsessiva. In: Freud, S. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (vol. X) (pp. 135-273). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1909).

Lacan, J. (1995). O Seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1956-57).

Lacan, J. (1999). O Seminário, livro 5: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1957-58).

Lacan, J. (1998a). A significação do falo. In: Lacan, J. Escritos (pp. 692-703). Rio de Janeiro: Zahar. (Obra original publicada em 1958).

Lacan, J. (1998b). Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina. In: Lacan, J. Escritos (pp. 734-745). Rio de Janeiro: Zahar. (Obra original redigida em 1958).

Lacan, J. (2016). O Seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1958-59).

Lacan, J. (2008a). O Seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1959-60).

Lacan, J. (1998c). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In: Lacan, J. Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Zahar. (Obra original publicada em 1960).

Lacan, J. (2010). O Seminário, livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1960-61).

Lacan, J. (2003). O Seminário, livro 9: a identificação. Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife. (Seminário proferido em 1961-62).

Lacan, J. (2005). O Seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1962-63).

Lacan, J. (2008b). O Seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1972-73).

Lacan, J. (1974-75). O Seminário, livro 22: RSI. Inédito.

Lacan, J. (1995). Conferências nos EUA. Recife: Centro de Estudos Freudianos do Recife. (Conferências proferidas em 1975).

Lacan, J. (2007). O Seminário, livro 23: o sinthoma. Rio de Janeiro: Zahar. (Seminário proferido em 1975-76).

Miller, J.-A. (2013). O Outro sem o Outro. Boletim da Escola Brasileira de Psicanálise. Recuperado em 22 fevereiro, 2019, de https://www.ebp.org.br/dr/orientacao/orientacao005.asp

Rubin, G., & Butler, J. (2003). Tráfico sexual – entrevista. Cadernos Pagu, 0(21), 157-209. Recuperado em 22 fevereiro, 2019, de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644617

Rubin, G. (2017). O tráfico de mulheres: notas sobre a economia política do sexo. In: Rubin, G. Políticas do sexo (pp. 9-61). São Paulo: Ubu Editora. (Obra original publicada em 1975).

Teixeira, A. M. R. (1999). O topos ético da psicanálise. Porto Alegre: EDIPUC-RS.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.