Miragens do Eu: angústia, desejo e produção estética do corpo feminino ideal

Eveliny Barbosa Coelho da Silveira, Shimênia Vieira de Oliveira Cruz, Roberta de Sousa Mélo

Resumo


O presente trabalho parte da concepção psicanalítica e socioantropológica de que o corpo, para além de seu estatuto biológico, é o território onde o sujeito produz sentidos e significados sobre si e sobre o mundo a partir da relação que estabelece com o contexto social. Com base nessa concepção, este estudo objetivou investigar os lugares atribuídos ao corpo nas produções subjetivas das mulheres participantes, circunscrevendo as dimensões de angústia e desejo, haja vista a supervalorização da imagem corporal na contemporaneidade e o crescente desencadeamento de diversas modalidades de sofrimento psíquico atrelado a esse processo – especialmente no universo feminino. Trata-se de uma pesquisa de cunho exploratório que utilizou o método de estudo de caso de modo a aprofundar a compreensão dos discursos trazidos por três mulheres, selecionadas por conveniência. A análise dos dados foi feita à luz do referencial teórico da psicanálise de orientação lacaniana e da socioantropologia do corpo. Os depoimentos evidenciam que as construções subjetivas e corporais dessas mulheres são fortemente marcadas pelo sofrimento por não se adequarem aos padrões estéticos em que se colocam a falta e a precariedade do corpo como atributos negativos. Por outro lado, as histórias também nos falam de modos de questionamento e da subversão dessas imposições.


Palavras-chave


Corpo feminino; produção corporal; psicanálise; socioantropologia do corpo.

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, R. B., & Almeida, M. T. F. (2017). Da perda do objeto: o encontro sobre o abismo. Psicologia USP, 28(1), pp. 102-107. Doi: .

Barbosa, M. R., Matos, P. M., & Costa, M. E. (2011). Um olhar sobre o corpo: o corpo ontem e hoje. Psicologia & Sociedade, 23(1), 24-34. Doi: .

Barros, C. D. (2013). A beleza e a feiura na contemporaneidade. Diálogos – Revista de estudos culturais e da contemporaneidade, 9, 73-86. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Besset, V. L. & Espinoza, M. P. V. (2012). Dora hipermoderna: ainda a histeria? In Vilhena, J., & Novaes, J. (Orgs). Corpo para que te quero? Usos, abusos e desusos (p. 303-313). Rio de Janeiro: PUC-Rio: Appris.

Costa, C. L. (2002). O sujeito no feminismo: revisitando os debates. Cadernos Pagu, 19, 59-90. Doi: .

Cukiert, M. (2004). Considerações sobre corpo e linguagem na clínica e na teoria lacaniana. Psicologia USP, 15(1-2), 225-241. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Cukiert, M., & Priszkulnik, L. (2002). Considerações sobre eu e o corpo em Lacan. Estudos de Psicologia, 7(1), 143-149. Doi: .

Dunker, C. I. L. (2011). Mal-estar, sofrimento e sintoma: releitura da diagnóstica lacaniana a partir do perspectivismo animista. Tempo Social, 23(1), 115-136. Doi: .

Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. 21. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1930)

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC. Apostila.

Garritano, E. J., & Sadala, G. (2010). O adolescente e a cultura do corpo: uma visão psicanalítica. Polêm!ca, 9(3), 56-64. Recuperado em 27 jul. 2021, de .

Goellner, S. V. (2003). A produção cultural do corpo. In Louro, G. L., Neckel, J. F., & Goellner, S. V. (orgs.), Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação (p. 30-42). Petrópolis: Vozes.

Lacan, J. (1981). A família. Lisboa: Assírio & Alvim.

Lacan, J. (1988). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1998). Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (2003). Outros escritos. Rio de Janeiro: Zahar.

Le Breton, D. (2007). A sociologia do corpo. Petrópolis: Vozes.

Lima, A. F., Batista, K. A., & Lara Junior, N. (2013). A ideologia do corpo feminino perfeito: questões com o real. Psicologia em Estudo, 18(1), p. 49-59. Doi: .

Lustoza, R. Z., Cardoso, M. J. d'E., & Calazans, R. (2014). “Novos sintomas” e declínio da função paterna: um exame crítico da questão. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 17(2), p. 201-213. Doi: .

Marsilac, A. L. M., & Sousa, E. L. A. (2012). Corpo e imagem: excessos em deslocamento. In Vilhena, J. & Novaes, J. L. (Orgs.), Corpo para que te quero? Usos, abusos e desusos. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Appris.

Mieli, P. (2002). Sobre as manipulações irreversíveis do corpo e outros textos psicanalíticos. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria / Corpo Freudiano do Rio de Janeiro.

Minayo, M.C.S. (2009). O desafio da pesquisa. In Minayo, M.C.S. (Org.), Pesquisa social – Teoria, método e criatividade (p. 9-29). Petrópolis: Vozes.

Miller, J.-A. (1999). Elementos de biologia lacaniana. Belo Horizonte: Escola Brasileira de Psicanálise.

Novaes, V., & Vilhena, J. (2006). Dormindo com o inimigo: mulher, feiúra e a busca do corpo perfeito. Com Ciência, LABJOR. Unicamp/SBPC, 78, 1-4. Recuperado em 27 jul. 2021 de . RRoudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. Porto Alegre: Zahar.

Silva, D. Q. da. (2013). A pesquisa em psicanálise: o método de construção do caso psicanalítico. Estudos de Psicanálise, 39, 37-46. Recuperado 27 jul. 2021 de .

Silva Junior, N., Santos, A. G. S., Ribeiro, C. E., Moreira, L. E. V., Ambra, P. E. S., & Carvalho Neto, S. (2012). Construções do corpo na razão diagnóstica da psiquiatria e da psicanálise. In Vilhena, J., & Novaes, J. L. (Orgs.), Corpo para que te quero? Usos, abusos e desusos. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Appris.

Silva Junior, N., & Moreira, L. E. V. (2013). O sacrifício do corpo como tomada da palavra e seu cálculo para a identidade: uma reflexão psicanalítica sobre as modificações corporais. Sig. Revista de Psicanálise, p. 99-106. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Silva, H. C., & Rey, S. (2011). A beleza e a feminilidade: um olhar psicanalítico. Psicologia: Ciência e Profissão, 31(3), 554-567. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Silva, L. E. (2017). O estatuto do Outro no pensamento de Jacques Lacan (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Simanke, R. T. (2002). Metapsicologia lacaniana: os anos de formação. São Paulo: Discurso Editorial; Curitiba: Editora UFPR.

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. (2016). Censo 2016 – situação da cirurgia plástica no Brasil. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Soler, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro: Zahar.

Soler, C. (2012). Lacan, o inconsciente reinventado. Rio de Janeiro: Cia. de Freud.

Sotelo, I. (2013). O corpo no despertar. Textos do VI ENAPOL. VI Encontro Americano de Psicanálise de Orientação Lacaniana. Falar com o Corpo – A Crise das Normas e a Agitação do Real. Buenos Aires, p. 49-51.

Sternick, M. V. C. (2010). A imagem do corpo em Lacan. Reverso, 32(59), 31-37. Recuperado em 27 jul. 2021 de .

Zaher, L. J. Á., & Ravanello, T. (2018). Uma abordagem linguageira do mal-estar. Revista Psicologia e Saúde, 10(1), 47-62. Doi: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.