Uma baliza de método: as relações entre literatura e psicanálise

Cristina Moreira Marcos, Silvane Carozzi

Resumo


A relação entre a literatura e a psicanálise frequentemente é entendida dentro de um modelo mecanicista da “aplicação” dos conceitos psicanalíticos à obra literária. Tal prática tem sido objeto de pertinentes críticas, cujo alvo seria revelar o caráter reducionista desse procedimento no que diz respeito à literatura e também à psicanálise. O artigo discute a relação entre a literatura e a psicanálise indicando que a leitura que nos interessa não se alinha à aplicação dos conceitos psicanalíticos à obra literária. Parte-se da ideia de que “a verdade se revela numa estrutura poética” para localizar a relação dialógica entre a literatura e a psicanálise, deslocando a ideia de “aplicação” para a de “implicação” e desta para uma “prática da letra”, através da qual seja possível executar sua potência. Encontra-se em Lacan a chave de leitura que orienta a relação da psicanálise com a literatura: “isso não é um madrigal, mas uma baliza de método”.


Palavras-chave


Psicanálise; literatura; método; interpretação.

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, C. (2016). Lacan chinês: poesia, ideograma e caligrafia chinesa de uma psicanálise. (2ª ed.). Maceió: EDUFAL.

Andrade, M. C. (2008). A experiência de Freud: escrita e invenção da psicanálise. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Andrade, P. de. (2001). Retira a quem escreve sua caneta: Guimarães Rosa e a subtração da escrita. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil.

Blanchot, M. (1984). O livro por vir. Lisboa: Relógio d’água.

Blanchot, M. (1987). O espaço literário. Rio de Janeiro: Rocco.

Blanchot, M. (1997). A parte do fogo. Rio de Janeiro: Rocco.

Campos, H. de. (1975). Teoria da poesia concreta. São Paulo: Livraria Duas Cidades.

Campos, H. de. (1995). O afreudisíaco Lacan na galáxia de lalíngua. In Cesaratto, O. (Org.). Ideias de Lacan, p. 175-195. São Paulo: Iluminuras.

Cheng, F. (2016). Lacan e o pensamento chinês. Revista Derivas Analíticas, 5. Recuperado em 10 fev. 2019 de .

Delay, J. (1956). La jeunesse d’André Gide. Paris: Galimard.

Duras, M (1986). O deslumbramento. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Freud, S. (1987). Notas psicanalíticas sobre um relato autobiográfico de um caso de paranoia. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XII. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1937)

Harari, R. (2002). Como se chama James Joyce? A partir do Seminário Le sinthome de J. Lacan. Salvador e Rio de Janeiro: Ágalma e Companhia de Freud.

Houaiss, A. (2001). Madrigal. In Houaiss, A. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 20: mais ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Seminário original de 1972-1973).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: a transferência. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Seminário original de 1960-1961)

Lacan, J. (1998). Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1953)

Lacan, J. (1998). Situação da psicanálise e formação do psicanalista. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1956)

Lacan, J. (1998). O seminário sobre “A carta roubada”. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1957a).

Lacan, J. (1998). A psicanálise e seu ensino. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1957b)

Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1957c)

Lacan, J. (1998). Juventude de Gide ou a letra e o desejo. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1958)

Lacan, J. (1998). Abertura desta coletânea. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1966)

Lacan, J. (1998). Nota à edição brasileira. In Lacan, J. [Autor], Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1998). Rumo a um significante novo. Opção Lacaniana, 22, 6-15. (Original publicado em 1977)

Lacan, J. (2003). Lituraterra. In Lacan, J. [Autor], Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1965a)

Lacan, J. (2003a). Homenagem a Marguerite Duras pelo arrebatamento de Lol V. Stein. In Lacan, J. [Autor], Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1965b)

Laurent., E. (1998). Quatro observações sobre a preocupação científica de Lacan. In Giroud, F. et al. Lacan, você conhece? São Paulo: Cultura Editores Associados.

Llansol, M. G. (2011). Um falcão no punho. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Maia, E. A. (2000). Escritura: na travessia da escrita. In Branco, L. C., & Brandão, R. S. (Orgs.). A força da letra: estilo escrita representação. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Mandil, R. (2003). Os efeitos da letra: Lacan leitor de Joyce. Rio de Janeiro/Belo Horizonte: Contra Capa Livraria/Faculdade de Letras UFMG.

Mallarmé, S. (2008). Crise do verso. Inimigo rumor, 20, 151-164.

Mallarmé, S. (2006). Prefácio a Um lance de dados. In Campos, A. de, Pignatari, D., & Campos, H. de (Orgs.). Mallarmé. São Paulo: Perspectiva.

Masson, J. M. (1986). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess (1887-1904). Rio de Janeiro: Imago.

Schreber, D. P. (1995). Memórias de um doente dos nervos. Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Original publicado em 1903)

Trocoli, F., & Aires, S. (2012). Literatura e Psicanálise: de uma relação que não fosse de aplicação. Terceira Margem – Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 26, 11-16.

Zenoni, A. (2000). Psicanálise e Instituição. Abrecampos, l, 12-93.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.