Raça, gênero e classe social na clínica psicanalítica

Fernanda Canavêz

Resumo


O artigo objetiva situar o debate sobre raça, gênero e classe social na clínica psicanalítica atual, partindo da apresentação do paradigma da interseccionalidade em um diálogo com as Ciências Sociais. Para a consecução da proposta principal, retoma criticamente as raízes modernas da clínica à luz do debate sobre colonialidade para, na sequência, circunscrever a clínica ao debate atual encampado pelos novos movimentos sociais. Por fim, partindo de contribuições de Sándor Ferenczi, aposta-se na clínica como espaço-tempo de desconstrução de desmentidos sociais que reforçam opressões, bem como na potência do caráter paradoxal daquela para a desconstrução de identidades cristalizadas.


Palavras-chave


raça; gênero; classe social; clínica psicanalítica

Texto completo:

PDF

Referências


Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? In Agamben, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios (pp. 55-73). Chapecó: Argos.

Aguiar, M.M. (2007). A construção das hierarquias sociais: classe, raça, gênero e etnicidade. Cadernos de Pesquisas do CDHIS, 36/37 (20), 83-88.

Aleixo, R. (2017). Antiboi: poemas (2013/2017). Belo Horizonte: Crisálida/Lira.

Benhabib, S. & Cornell, D. (Coords). (1987). Feminismo como crítica da modernidade: releitura dos pensadores contemporâneos do ponto de vista da mulher. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

Birman, J. (2006). A psicanálise e a crítica da modernidade. In Birman, J. Arquivos do mal-estar e da resistência (pp. 17-32). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Butler, J. (1987). Variações sobre sexo e gênero: Beauvoir, Wittig e Foucault. In Benhabib, S. & Cornell, D. (Coords.). Feminismo como crítica da modernidade: releitura dos pensadores contemporâneos do ponto de vista da mulher (pp. 139-154). Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos.

__________. (2003). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Obra original publicada em 1990).

Canavêz, F. (2011). Entre compromisso e resistência: os descaminhos do sintoma neurótico. Rio de Janeiro: Multifoco.

__________. (2017). Da resistência autoimunitária ao múltiplo na psicanálise. Psicologia USP, 28(3), 424-431.

Castro, L.R. (1999). Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de Janeiro: NAU.

Césaire, A. (1978). Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa. (Obra original publicada em 1955).

Conselho Federal de Psicologia (CFP). (2017). Relações raciais: referências técnicas para a atuação de psicólogas(os). Brasília: CFP.

Crenshaw, K. (2012). A intersecionalidade na discriminação de raça e de gênero. Recuperado de http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/09/Kimberle-Crenshaw.pdf

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo. (Obra original publicada em 1981).

Fanon, F. (1979). Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. (Obra original publicada em 1961).

__________. (2008). Peles negras, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA. (Obra original publicada em 1952).

Ferenczi, S. (2003). Confusão de língua entre os adultos e a criança. In: Ferenczi, S. Obras completas: Psicanálise IV (pp. 95-106). São Paulo: Martins Fontes. (Obra original publicada em 1932).

Foucault, M. (1997). «Il faut défendre la société’» Cours au Collège de France (1975-1976). Paris: Hautes Études/Gallimard-Seuil.

Freud, S. (1976). Psicologia de grupo e análise do eu. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. (Vol. XVIII, pp. 89-179). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1921).

__________. (1974). O mal-estar na civilização. In Freud, S. Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. (Vol. XXI, pp. 75-171). Rio de Janeiro: Imago. (Obra original publicada em 1930).

Gondar, J. (2004). A clínica como prática política. Lugar Comum, 19, 125-134.

__________. (2018). Um racismo desmentido. In Arreguy, M.E., Coelho, M.B. & Cabral, S. (Orgs.). Racismo, capitalismo e subjetividade: leituras psicanalíticas e filosóficas (pp. 47-58). Niterói: Eduff.

__________. & Canavêz, F. (2018). Psicanálise: o desvio como método. In Fulgêncio, L., Birman, J., Kupermann, D. & Cunha, E.L. Modalidades de pesquisa em psicanálise: métodos e objetivos (pp. 112-125). São Paulo: Zagodoni.

Hasenbalg, C. (1996). Entre o mito e os fatos: racismo e relações raciais no Brasil. In: Maio, M.C. & Santos, R.V. (Orgs.). Raça, ciência e sociedade (pp. 235-249). Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

Hirata, H. (2014). Gênero, classe e raça: interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, 26(1), 61-73.

Kerner, I. (2012). Tudo é interseccional? Sobre a relação entre racismo e sexismo. Novos Estudos: Dossiê Teoria Crítica, 93, 95-58.

Kramer, S. (1982). Privação cultural e educação compensatória: uma análise crítica. Cadernos de Pesquisa, 42, 54-62.

Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, 22(3), 935-952.

Machado, J.V.M. (2014). Para (re)pensar a América Latina: a vertente descolonial de Walter D. Mignolo. Espaço e Economia, ano III(5) 1-4.

Mbembe, A. (2018). Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições. (obra original publicada em 2013).

Miglievich-Ribeiro, A. (2014). Por uma razão decolonial: desafios ético-político-epistemológicos à cosmovisão moderna. Civitas, 14(1), 66-80.

Patto, M.H. (2000). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo. (Obra original publicada em 1990).

Quijano, A. (1991). Colonialidad, modernidad/racionalidad. Perú Indígena, 13(29), 11-29.

Ribeiro, D. (2017). O que é: lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento/Justificando.

Santos, B. & Polverel, E. (2016). Procura-se psicanalista segurx. Uma conversa sobre normatividade e escuta analítica. Lacuna - Revista de Psicanálise, 1, p. 3.

Schmidt, M.L.S. (2004). Clínica psicológica, trabalho e desemprego: considerações teóricas. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 7, 1-10.

Scott, J. (2005). O enigma da igualdade. Estudos Feministas, 13(1), 11-30.

Souza, N.S. (1983). Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Spivak, G.C. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG. (Obra original publicada em 1985).

Starobinksi, J. (2002). As máscaras da civilização. Rio de Janeiro: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1999).

Veloso, C. & Gil, G. (1969). Divino, Maravilhoso. [Gal Costa]. Em Gal Costa [LP]. Rio de Janeiro: Philips Records. (1968).

Weber, M. (2005). A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira. (Obra original publicada em 1905).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.