A atualidade de Hello Brasil!: problematizações sobre a função paterna e a cultura brasileira

Fernando Basso, Amadeu de Oliveira Weinmann, Gustavo Gustavo Caetano de Mattos Mano

Resumo


Este artigo propõe-se a examinar a atualidade de Hello Brasil!, livro do psicanalista Contardo Calligaris publicado pela primeira vez em 1991 e relançado em 2017. Traçando uma leitura crítica, propomo-nos a apresentar o contexto de produção da obra, indicar suas potencialidades, assinalar os diálogos com outras produções e identificar seus limites teóricos. A partir do exame de Hello Brasil!, buscamos lançar interrogações que permitam expandir os horizontes do debate psicanalítico envolvendo as interpretações do Brasil e seus desdobramentos. Mais especificamente, procuramos problematizar, a partir das teses expostas no ensaio do psicanalista italiano, as interpretações da cultura brasileira sustentadas na hipótese do “déficit paterno” e do “Um” da função paterna, o que implica repensar o conceito “função paterna” como operador de análises da cultura.


Palavras-chave


psicanálise; interpretação; função paterna; cultura brasileira; Hello Brasil!

Texto completo:

PDF

Referências


Birman, J. (2004). Arqueologia do campo. Cult, 10, 48-51.

Calligaris, C. (1991). Hello Brasil! Notas de um psicanalista europeu viajando ao Brasil. São Paulo, SP: Escuta.

Calligaris, C. (2017a). Hello, Brasil! e outros ensaios: psicanálise da estranha civilização brasileira. São Paulo, SP: Três estrelas.

Calligaris, C. (2017b). Café filosófico CPFL: Contardo Calligaris – psicanálise da estranha civilização brasileira. Recuperado em 06/01/2019 em: https://www.youtube.com/watch?v=Fxi2sQ-ex4s.

Costa, A. (2000). Autoridade e legitimidade. In Kehl, M. R. (Org.), Função fraterna (pp. 81-110). Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Dunker, C. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo, SP: Boitempo.

Freud, S. (2006). Além do princípio do prazer. In Freud, S., Obras psicológicas de Sigmund Freud: escritos da psicologia do inconsciente (L. A. Hans, trad., Vol. 2, pp. 123-198). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920)

Freud, S. (2013). Psicologia das massas e análise do eu (R. Zwick, trad.). Porto Alegre, RS: L&PM. (Trabalho original publicado em 1921)

Holanda, S. B. (2016). Raízes do Brasil. São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1936)

Kehl, M. R. (2000). A fratria órfã. In Kehl, M. R. (Org.), Função fraterna (pp. 209-243). Rio de Janeiro, RJ: Relume Dumará.

Kehl, M. R. (2003a). A histeria e o ressentimento. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 10(25), 76-84.

Kehl, M. R. (2003b). Em defesa da família tentacular. In Groeninga, G. C. & Pereira, R. C. (Orgs.), Direito de família e psicanálise: rumo a uma nova epistemologia (pp.163-173). Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Kehl, M. R. (2005). O ressentimento camuflado da sociedade brasileira. Novos Estudos, 71, 163-180.

Kehl, M. R. (2009). O tempo e o cão. São Paulo, SP: Boitempo.

Lacan, J. (1998). O seminário, livro 4: as relações de objeto (D. D. Estrada, trad.) Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1956-1957)

Lacan, J. (2003). O seminário, livro 9: a identificação (I. Corrêa & M. Bagno, trads.). Recife, PE: Centro de Estudos Freudianos do Recife. (Trabalho original publicado em 1961-1962)

Lacan, J. (2005). Introdução aos Nomes-do-pai. In Lacan, J., Nomes-do-pai (V. Besset, trad., pp. 55-87). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1963)

Lacan, J. (2007). O seminário, livro 23: o sinthoma (S. Laia, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1975-1976)

Lacan, J. (2008). Os complexos familiares na formação do indivíduo: ensaio de análise de uma função em psicologia (P. M. Silveira Jr., trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1938)

Melman, C. (2000). Casa grande e senzala. In Association Freudienne Internationale (Org.), Um inconsciente pós-colonial, se é que ele existe (M. R. Teixeira, trad., pp. 17-20). Porto Alegre, RS: Artes e Ofícios.

Milan, B. (1985). Psi do Zil. Revirão – revista da prática freudiana, 3, 60-63.

Rinaldi, D. (2005). A subjetividade hoje: os paradoxos da servidão voluntária. In Associação Psicanalítica de Porto Alegre (Org.), Narrativas do Brasil (pp. 139-151). Porto Alegre, RS: Associação Psicanalítica de Porto Alegre.

Rodrigues, N. (1993). À sombra das chuteiras imortais: crônicas de futebol. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Souza, M. (2002). Discurso fundador, história e subjetividades. Psicologia em Revista, 8(12), 57-64.

Souza, O. (1994). Fantasia de Brasil: as identificações em busca da identidade nacional. São Paulo, SP: Escuta.

Triska, V. (2016). Cultura e estrutura em psicanálise. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Veloso, C. (1997). Verdade tropical. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Wisnik. J. M. (2004). Sem receita: ensaios e canções. São Paulo, SP: Publifolha


Apontamentos

  • Não há apontamentos.