As contribuições de Donald Wood Winnicott para a psicossomática

Gabriela Garcia Ceron

Resumo


Faz-se relevante recordar que psicossomática é maior e mais nobre do que a simples denotação de conflitos psicológicos prejudicando o organismo; psicossomática é, antes de tudo, saúde, crescimento, amadurecimento, ou seja, é o indivíduo completo.   Objetivo:Apresentar as principais contribuições de Donald Wood Winnicott para a psicossomática. Método: Trata-se  de um estudo qualitativo de uma revisão narrativa da literatura. Como descritores utilizou-se Winnicott, psicossomática, hold, maternagem suficientemente boa, psicossoma e processo de maturação nas bases de dados Scielo e Medline. Critério de inclusão: abordou-se artigos que tratam os fatores da integração psicossomática  e da não integração psicossomática. Critério de exclusão:  foram excluídas dissertações. Foi conduzida, inicialmente, a leitura dos títulos e resumos. Posteriormente, foi realizada a leitura completa dos textos. A partir daí, prosseguiu-se com a análise da fundamentação teórica dos estudos. Os dados foram sistematizados em seis categorias: O alicerce da integração psicossomática: Soma, psique e mente,  A tendência à integração e o exercício da maternagem suficientemente boa,  O efeito da primeira mamada para a elaboração psíquica da função psicossomática, As etapas rumo à independência e à conquista do eu-sou, O resultado da permanência da não-integração entre psique e soma: A consequência da ausência do holding e do ambiente facilitador para o processo de maturação e O significado do somatizar e do "psiquizar" como mensagem de unidade entre psique e soma.  Resultados e discussão:  Winnicott descreve personalização como a conquista de uma relação íntima entre a psique e o soma.Conclusão: As principais contribuições de Donald Wood Winnicott para a psicossomática estão  fundamentadas no  âmago das palavras empatia e confiança.

 


Palavras-chave


Winnicott. Psicossomática. Processo de integração.

Texto completo:

PDF

Referências


Ávila, L. A. (2002). Doenças do corpo, doenças da alma: Investigação psicossomática psicanalítica (3 ed.). São Paulo: Escuta.

Bowlby, J. (2004). Protótipo de pesar humano. In Apego e perda: angústia e raiva (4 ed., Vol. 2, pp. 3-30). São Paulo: Martins fontes - Selo Martins.

Brazelton, T. B., & Cramer, B. G. (1992). As primeiras relações. São Paulo: Martins Fontes.

Bruno Galván, G. (2007). Distúrbio psicossomático e amadurecimento. Winnicott e-prints, 2, 1-17.

Dias, H. Z. J., Rubin, R., Dias, A. V., & Gauer, G. J. C. (2007). Relações visíveis entre pele e psiquismo: um entendimento psicanalítico. Psicologia clinica, 19(2), 23-34.

Freud, S. (1905-1996). A sexualidade infantil. In Um caso de histeria, os três ensaios sobre a sexualidade e outros trabalhos (Vol. VII, pp. 162-195). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1910-1996). A concepção psicanalítica da perturbação da visão. In Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos (Vol. XI, pp. 217-227). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1910-1996). Quarta lição. In Cinco lições de psicanálise, Leonardo da Vinci e outros trabalhos (Vol. XI, pp. 52-59). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1914-1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In A história do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos (Vol. XIV, pp. 81-110). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915-1996). O sentido dos sintomas. In Conferências introdutórias sobre psicanálise (parte III) (Vol. XVI, pp. 266-281). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1921-1996). Psicologia de Grupo e análise do ego. In Além do príncipio do prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos (Vol. XVIII, pp. 115-120). São Paulo: Imago.

Freud, S. (1923-1996). O ego e o id. In O ego, o id e outros trabalhos (Vol. XIX, pp. 27-77). Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1926-1996). Inibições, sintomas e ansiedade. In Um estudo autobibliográfica, inibições, sintomas e ansiedade, análise leiga e outros trabalhos (Vol. XX, pp. 153-174). Rio de Janeiro: Imago.

Groddeck, G. W. (2011). Estudos psicanalíticos sobre a psicossomática. São Paulo: Perspectiva.

Horn, A. (2007). O somático e as experiências corporais. Revista Brasileira de Psicanálise, 41(1), 102-107.

Loparic, Z. (2016). WINNICOTT: UMA PSICANÁLISE NÃO-EDIPIANA. Retrieved from http://www2.uol.com.br/percurso/main/pcs17/p17_14.htm

Maia, M. V. C. M., & Pinheiro, N. N. B. (2010). A clínica psicanalítica dos transtornos psicossomáticos: de Freud a Winnicott. Estilos da Clinica, 15, 164-177.

Maia, M. V. M. (2009). Angústia e subjetividade: reflexões sobre os fenômenos psicossomáticos a partir de Freud e Winnicott. Revista Subjetividades, 9(1), 75-104.

McDougall, J. (2013). Teatros do corpo: o psicossoma em psicanálise (3 ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Nogueira-Martins, M. C. F., & Bógus, C. M. (2004). Considerações sobre a metodologia qualitativa como recurso para o estudo das ações de humanização em saúde. Saúde e sociedade, 13(3), 44-57.

Pinheiro, N. N. B. (2008). O corpo em desamparo: Que tem olhos para ver e ouvidos para ouvir? Revista da SBPH, 11(2), 3-14.

Seixas, R. (1999). A maçã. On As profecias. Rio de Janeiro: Warner Music.

Silva, G. V. d., & Pinheiro, N. N. B. (2010). " Antes do nome": articulações entre a angústia e os fenômenos psicossomáticos em Freud e Winnicott. Mental, 8(15), 195-214.

Spitz, R. A. (2013). O primeiro ano de vida (4 ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Winnicott, D. W. (1983). O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D. W. (1990). A natureza humana. Rio de Janeiro: Imago.

Winnicott, D. W. (2011a). Família e maturação emocional. In A família e o desenvolvimento individual (4 ed., pp. 129-140). São Paulo: WMF Martis Fontes.

Winnicott, D. W. (2011b). Influências de grupo e a criança desajustada: o aspecto escolar. In A família e o desenvolvimento indivídual (4 ed., pp. 213-226). São Paulo: WMF Martins Fontes.

Winnicott, D. W. (2013). Os bebês e suas mães (4 ed.). São Paulo: WMF Martins Fontes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.