Crítica da razão clínica em Lacan e sua inflexão política

Thales Fonseca

Resumo


O presente ensaio busca, em um movimento retroativo, demonstrar que há no que chamamos de uma crítica da racionalidade clínica, realizada por Jacques Lacan no interior do freudismo, um rudimento de crítica da ideologia em sua raiz cínica. Nesse sentido, Lacan teria de alguma maneira se adiantado ao diagnóstico da modernidade realizado por Peter Sloterdijk, o que viria a influenciar filósofos políticos contemporâneos tais como Zizek e Safatle. Assim, buscamos explicitar tal relação, destacando ainda outros pontos que levam a clínica psicanalítica a coincidir com a crítica social. Partimos da perspectiva de que o método crítico e a possibilidade de expansão para além da clínica stricto sensu seriam características inerentes à práxis psicanalítica desde Freud.

Palavras-chave


crítica da razão clínica; crítica da ideologia; crítica social; psicanálise; política.

Texto completo:

PDF

Referências


Althusser, L. (1980). Freud e Lacan. In: L. Althusser, Posições II (pp. 103-130). Rio de Janeiro: Graal. (Original publicado em 1964-65).

Althusser, L. (1996). Ideologia e Aparelhos Ideológicos de Estado (Notas para uma investigação). In: S. Zizek (Org.), Um mapa da ideologia (pp. 105-142). Rio de Janeiro: Contraponto. (Original publicado em 1970).

Calazans, R. & Neves, T. I. (2010). Pesquisa em psicanálise: da qualificação desqualificante à subversão. Ágora, 13 (2), 191-205.

Deleuze, G. (2006). Em que se pode reconhecer o estruturalismo? In: G. Deleuze, A ilha deserta e outros textos (pp. 221-247). São Paulo: Iluminuras. (Original publicado em 1972).

Dunker, C. I. L. (2006). Aspectos históricos da psicanálise pós-freudiana. In: A. M. Jacó-Vilela, A. A. L. Ferreira & F. T. Portugal (Orgs.), História da psicologia: rumos e percursos (pp. 387-411). Rio de Janeiro: Nau Ed.

Dunker, C. I. L. (2017). A psicanálise como crítica da metafísica em Lacan. Analytica: Revista de Psicanálise, 6 (10), p. 1- 15.

Eagleton, T. (1996). A ideologia e suas vicissitudes no marxismo ocidental. In: S. Zizek (Org.), Um mapa da ideologia (pp. 179-226). Rio de Janeiro: Contraponto.

Fonseca, T. (2018). Psicose e CAPS: entre a metapsicologia, a clínica e a política. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei.

Freud, S. (2010). Introdução ao narcisismo. In: S. Freud, Obras Completas (v. 12, pp. 13-50). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1914).

Freud, S. (2010). Uma dificuldade da psicanálise. In: S. Freud, Obras Completas (v. 14, pp. 179-187). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1917).

Freud, S. (2011). Psicologia das massas e análise do eu. In: S. Freud, Obras Completas (v. 15, pp. 9-100). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1921).

Freud, S. (2011). O eu e o id. In: S. Freud, Obras Completas (v. 16, pp. 9-64). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1923).

Freud, S. (2011). Resumo da psicanálise. In: S. Freud, Obras Completas (v. 16, pp. 222-251). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1924).

Freud, S. (2011). O mal-estar na civilização. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras. (Original publicado em 1930).

Freud, S. (2010). A dissecção da personalidade psíquica. In: S. Freud, Obras Completas (v. 18, pp. 192-223). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1933).

Kant, I. (2016). Crítica da razão prática (4ª ed.). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes. (Original publicado em 1788).

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In: J. Lacan, Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Zahar. (Original proferido em 1949).

Lacan, J. (2009). O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud (2ª ed.). Rio de Janeiro: Zahar. (Original proferido em 1953-1954).

Lacan, J. (1998). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: J. Lacan, Escritos (pp. 496-533). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1957).

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In: J. Lacan, Escritos (pp. 591-652). Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1958).

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Original proferido em 1959-60).

Lacan, J. (1998). Subversão do sujeito e dialética do desejo. In: J. Lacan, Escritos (pp. 807-842). Rio de Janeiro: Zahar. (Original proferido em 1960).

Lacan, J. (1998). Kant com Sade. In: J. Lacan, Escritos (pp. 776-803). Rio de Janeiro: Zahar. (Original proferido em 1963).

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (2ª ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Original proferido em 1964).

Marx, K. & Engels, F. (2011). Manifesto do Partido Comunista. Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1848).

Marx, K. (2019). O Capital – Livro I (2ª ed.). São Paulo: Boitempo. (Original publicado em 1867).

Miller, J.-A. (1996). Ação da estrutura. In: J.-A. Miller, Matemas I (pp. 9-23). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. (Original publicado em 1968).

Quinet, A. (2009). As 4 + 1 condições da análise (12ª ed.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Sade, M. (2008). A filosofia na alcova. São Paulo: Iluminuras. (Original publicado em 1795).

Safatle, V. (2006). A paixão do negativo: Lacan e a dialética. São Paulo: Editora UNESP.

Safatle, V. (2008). Cinismo e falência da crítica. São Paulo: Boitempo.

Safatle, V. (2017). Lacan, revolução e liquidação da transferência: a destituição subjetiva como protocolo de emancipação política. Estudos Avançados, 31 (91), 211-227.

Safatle, V. (2018). Em direção a um novo modelo de crítica: as possibilidades de recuperação contemporânea do conceito de patologia social. In: V. Safatle, N. da Silva Junior & C. Dunker (Orgs.), Patologias do social: arqueologias do sofrimento psíquico (pp. 7-31). Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Sloterdijk, P. (2012). Crítica da razão cínica. São Paulo: Editora Estação da Liberdade. (Original publicado em 1983).

Zizek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Zizek, S. (2010). Como ler Lacan. Rio de Janeiro: Zahar.

Zizek, S. (2016). O sujeito incômodo: o centro ausente da ontologia política. São Paulo: Boitempo.

Zizek, S. (2017). Revisando a crítica social “lacaniana”: a Lei e seu duplo obsceno. In: R. Butler & S. Stephens (Orgs.), Interrogando o real (pp. 277-297). Belo Horizonte: Autêntica Editora.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.