Desafios e possibilidades do fazer do psicanalista numa equipe interdisciplinar em instituições

Jacqueline de Oliveira Moreira, Juliana Morganti, Juliana Marcondes Pedrosa de Souza, Mara Alice Avelar Saraiva Horta, Mariana Benjamin de Oliveira Dutra, Bruna Machado Lagares Côrtes

Resumo


Apresentamos uma revisão crítica de literatura sobre as possibilidades do fazer de um psicanalista numa equipe interdisciplinar no interior de uma instituição. Utilizando a plataforma Scielo com os descritores “psicanálise” e “instituição”, localizamos quinze artigos organizados em quatro categorias: o lugar do analista na instituição; apresentação de caso clínico; dispositivos clínicos: escuta da equipe, discussão de casos e supervisão; a psicanálise e as políticas públicas de saúde mental (pós-reforma psiquiátrica); além do item outros. Concluímos que os artigos são ricos em reflexões sobre a relação psicanálise/instituição, mas não apresentam descrição do cotidiano do psicanalista nesses espaços. Ressaltamos a importância de pensar as especificidades da associação livre, da atenção flutuante e do efeito-equipe na práxis analítica no âmbito institucional.


Palavras-chave


Psicanálise; instituição; equipe interdisciplinar.

Texto completo:

PDF

Referências


Calazans, R., & Bastos, A. (2008). Urgência subjetiva e clínica psicanalítica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(4), 640-652. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Campos, D. T. F., Campos, P. H. F., & Rosa, C. M. (2010). A confusão de línguas e os desafios da Psicanálise de grupo em instituição. Psicologia: ciência e profissão, 30(3), 504-523. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Carneiro, N. G. O. (2008). Do modelo asilar-manicomial ao modelo de reabilitação psicossocial: haverá um lugar para o psicanalista em Saúde Mental? Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(2), 208-220. Recuperado em 10 out. 2018, de .

Castro, S. L. S. (2005). Reflexões sobre a clínica no ambulatório público. Psicologia: ciência e profissão, 25(3), 462-471. Recuperado em 10 out. 2018, de .

Cazanatto, E., Martta, M. K., & Bisol, C. A. (2016). A escuta clínica psicanalítica em uma instituição pública: construindo espaços. Psicol. cienc. prof., 36(2), 486-496. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Freud, S. (1976). Linhas de progresso na terapia psicanalítica. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XVII. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1917)

Freud, S. (1996). A pulsão e suas vicissitudes. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIV. Rio de janeiro: Imago. (Original publicado em 1915)

Freud, S. (2010). História de uma neurose infantil. In Freud, S. [Autor], Obras completas, v. 14. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. (Original publicado em 1918)

Freud, S. (1923). Psychoanalyse und Libidotheorie. In Gesammelte Werke 13 (p. 221-233). Frankfurt am Main: S. Fischer.

Laurent, E. (1999). O analista cidadão. Curinga Psicanálise e saúde mental, 13, 07-13. Escola Brasileira de Psicanálise, Minas Gerais.

Lebrun, J. (2009). Clínica da instituição: o que a Psicanálise contribuiu para a vida coletiva. Porto Alegre, RS: CMC Editora.

Mattos, P. R. (2003). Sob o olhar psicanalítico um espaço mal-assombrado ou Considerações sobre a psicopatologia da instituição hospitalar. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 6(3), 110-119. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Mendes, A. A. (2015). O efeito-equipe e a construção do caso clínico. Curitiba: CRV.

Minatti, S. P. (2004). A criação do campo psicanalítico na instituição. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(1), 20-39. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Nogueira Filho, D, M. (2001). O desafio do psicanalista na instituição psiquiátrica. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 4(3), 61-66. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Oliveira, I. M. A. (2004). O caso clínico na instituição pública: polifonias desejantes. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 7(3), 82-93. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Pinheiro, N. N. B. (2002). Enlaces transferenciais: reflexões sobre a clínica psicanalítica no ambulatório hospitalar. Psicologia: Ciência e Profissão, 22(2), 42-49. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Pinto, J. M. (1999). A instituição acadêmica e a legitimação da vocação científica da Psicanálise. Psicologia: Reflexão e Crítica, 12(3), 00. Recuperado em 10 out. 2018 de

Rinaldi, D. L. (2015). Micropolítica do desejo: a clínica do sujeito na instituição de saúde mental. Ciência & Saúde Coletiva, 20(2), 315-323. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Rocha, P. S. (2000). Instituições psicanalíticas: uma política de avestruz? Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 3(2), 157-167. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Romanini, M., & Roso, A. (2012). Psicanálise, instituição e laço social: o grupo como dispositivo. Psicologia USP, 23(2), 343-366. Recuperado em 10 out. 2018 de .

Silvestre, M. (1986). La transferencia. In Silvestre, M. [Autor], Mañana el psicoanálisis. Buenos Aires: Manantial.

Sousa, K. K., & Paravidini, J. L. L. (2011). Vínculos entre crianças em situação de acolhimento institucional e visitantes da instituição. Psicologia, ciência e profissão, 31(3), 536-553. Recuperado em 10 out. 2018 de .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.