Compulsão à ocupação: uma face mortífera da contemporaneidade

Camila Peixoto Farias, Renata Mello

Resumo


O objetivo deste artigo é investigar o circuito compulsivo de ocupação em que muitos sujeitos se encontram aprisionados na contemporaneidade. Partimos do pressuposto de que a aceleração e o excesso de atividades podem adquirir caráter patológico. Quando isso ocorre, essas manifestações nos parecem ligadas às problemáticas do trauma e do narcisismo. Examinamos, inicialmente, a constituição psíquica no âmbito do traumático, destacando as repercussões narcísicas diante da fragilidade dos investimentos objetais. Nesse sentido, articulamos a constituição narcísica de base traumática e o circuito mortífero subjacente à compulsão à ocupação. Em seguida, nos detemos no funcionamento psíquico do sujeito, sob o impacto traumático, alicerçado na clivagem e na busca pela sobrevivência através da ocupação compulsiva. Entendemos que a compulsão à ocupação e o cansaço extremo que ela engendra revelam um modo de sobrevivência psíquica baseado na descarga, na anestesia e no vazio afetivo. Esses casos nos alertam para a importância do olhar e do cuidado de um outro para que o sujeito possa se ocupar de si mesmo, para que possa viver e não apenas ocupar-se compulsivamente.

Palavras-chave


trauma; narcisismo; clivagem; compulsão à ocupação; psicanálise.

Texto completo:

PDF

Referências


Assoun, P.-L. (1994). La passion de répétition: genèse et figures de la compulsion dans la métapsychologie freudienne. Revue Française de Psychanalyse, 2, 335-357.

Birman, J. (2006). Subjetividades contemporâneas. In J. Birman (Org.), Arquivos do mal-estar e da resistência (p. 171-195). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Blondel, M. (2004). Objet transitionnel et autres objets d’addiction. Revue Française de Psychanalyse, 68(2), 459-467.

Cabré, L. M. (2017). El diario clínico de Ferenczi. In Cabré, L. M. (Org.), Autenticidad y reciprocidad: un diálogo con Ferenczi (p. 23-32). Buenos Aires: Biebel.

Coelho Junior, N. E. (2018). A matriz ferencziana. In Figueiredo, L. C., & Coelho Junior, N. E. (Orgs.), Adoecimentos psíquicos e estratégias de cura (p. 117-185). São Paulo: Blucher.

Cunha, M. P., & Birman, J. (2017). Muros do vazio: Narciso revisitado. Tempo psicanalítico, 49(2), 30-49.

Dal Molin, E. C. (2016). O terceiro tempo do trauma: Freud, Ferenczi e o desenho de um conceito. São Paulo: Perspectiva/FAPESP.

Ferenczi, S. (1990). Diário clínico. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1932)

Ferenczi, S. (1992). A criança mal acolhida e sua pulsão de morte. In Ferenczi, S. [Autor], Obras completas, Psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1928)

Ferenczi, S. (1992). Confusão de línguas entre adultos e crianças. In Ferenczi, S. [Autor], Obras completas, Psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1933)

Ferenczi, S. (2011). O problema da afirmação do desprazer. In Ferenczi, S. [Autor], Obras completas, Psicanálise III. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1926)

Figueiredo, L. C. (2003). Modernidade, trauma e dissociação: a questão do sentido hoje. In Figueiredo, L. C. [Autor], Psicanálise: elementos para a clínica contemporânea. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (2006). Sobre o narcisismo: uma introdução. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914)

Freud, S. (2006). Os instintos e suas vicissitudes. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1915)

Freud, S. (2006). Além do princípio do prazer.  In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XVII. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1920)

Freud, S. (2006). O ego e o id. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIX. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923)

Freud, S. (2006). O futuro de uma ilusão.  In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XXI. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1927)

Gondar J. (2017). O desmentido e a zona cinzenta. In Reis, E. S., & Gondar, J. (Orgs.), Com Ferenczi: clínica, subjetivação, política (p. 89-100). Rio de Janeiro: 7Letras.

Han, B.-C. (2017). Sociedade do cansaço. Rio de Janeiro: Vozes.

Lane, E. (2017). Os jovens japoneses que estão trabalhando literalmente até a morte. BBC News, online. Recuperado em 18 fev. 2018 de .

Knobloch, F. (2016). Desafios clínicos: a escuta da ruptura. In Workshop realizado na Sociedade Psicanalítica da Cidade do Rio de Janeiro (SPCRJ). Rio de Janeiro/RJ.

Mayer, H. (2001). Passagem ao ato, clínica psicanalítica e contemporaneidade. In Cardoso, R. (Org.), Adolescência: reflexões psicanalíticas (p. 81-102). Rio de Janeiro: NAU/FAPERJ.

Monti, M. (2008). Contrato narcisista e clínica do vazio. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 11(2), 239-253.

Moraes, E. G., & Macedo, M. M. K. (2011). Vivência de indiferença: do trauma ao ato-dor. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Pessoa, F.  (2018). O livro do desassossego. São Paulo: Principis.

Pinheiro, T. (1995). Do grito à palavra. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed./UFRJ.

Pinheiro, T., & Viana, D. (2018). Trauma, descrédito e masoquismo em Ferenczi. In Maciel Junior, A. (Org.), Trauma e ternura: a ética em Sándor Ferenczi (p. 46-61). Rio de Janeiro: 7Letras.

Roussillon, R. (1999). Traumatisme primaire, clivage et liaisons primaires non symboliques. In Roussillon, R. [Autor], Agonie, clivage et symbolisation. Paris: PUF.

Stern, D. (1992). O mundo interpessoal do bebê: uma visão a partir da psicanálise e da psicologia do desenvolvimento. Porto Alegre: Artes Médicas.

Vargas, P.  (2010). Poesia completa. Goiânia: R & F Editora.

Verztman, J. (2002). O observador do mundo: a noção de clivagem em Ferenczi. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 5(1), 59-78.

Türcke, C. (2010). Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: UNICAMP.

Türcke, C. (2016). Hiperativos: abaixo a cultura do déficit de atenção. Rio de Janeiro: Paz & Terra.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.