A aliança do supereu com a pulsão de morte no uso de drogas

Alexandra de Gouvêa Vianna

Resumo


Trabalharemos neste artigo a compulsão à droga pelo viés psicanalítico, enfatizando a implicação do sujeito no uso da substância e buscando compreender como ocorre a passagem do uso recreativo para o uso destrutivo. Demonstraremos que os casos graves de dependência química denunciam a busca pela ruína de si mesmo. Para trabalharmos o paradoxo deste mecanismo que encontra satisfação no próprio sofrimento, empregaremos o conceito de pulsão de morte introduzido por Freud em 1920. Sob o ponto de vista da metapsicologia, este modo de funcionamento do aparelho psíquico está para além do princípio de prazer, pois contraria o seu objetivo de conservar o aparelho livre de tensões, mantendo constante a quantidade de excitação que nele circula ou reduzindo-a ao mínimo possível. A compulsão à droga atropela o princípio de prazer e impele o sujeito à própria desgraça. Quando a pulsão de morte prevalece, o sujeito padece por não conseguir colocar um freio nela.

Palavras-chave


drogas; psicanálise; pulsão de morte; supereu; masoquismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Ambertin, M. G. (1992/2003). As vozes do supereu. São Paulo: Cultura Editores Associados; Caxias do Sul, RS: EDUCS.

Aulagnier, P. (1985). Os destinos do prazer. Alienação, amor, paixão. Rio de Janeiro: Imago.

Bittencourt, L. (1990). Toxicomania e masoquismo. Agenda de Psicanálise 2 – O corpo na psicanálise (pp.74-78). Rio de Janeiro: Dumará.

Bittencourt, L. (2006). Fantasma e final de análise: uma leitura. Revista da Escola Letra Freudiana, ano XXV, n. 37, pp. 151-160.

Braunstein, N. (2007). Gozo. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (1920/1996). Além do princípio do prazer. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XVIII. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1924/1996), O problema econômico do masoquismo. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIX. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1926/1996). Inibições, sintomas e ansiedade. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XX. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1930/1996). O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XXI. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1937/1996). Análise terminável e interminável. ESB, v. XXIII. Rio de Janeiro: Imago.

Inem, C. L. (2004). Corpo em evidência, corpo de gozo. In: Alberti, S. & Ribeiro, M. A. C. (orgs.). Retorno do exílio. O corpo entre a psicanálise e a ciência (pp. 89-94). Rio de Janeiro: Contra Capa.

Lacan, J. (1950/1998). Introdução teórica às funções da psicanálise em criminologia. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Rudge, A. M. (1998). Pulsão e linguagem. Esboço de uma concepção psicanalítica do ato. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Rudge, A. M. (2006). Pulsão de morte como efeito do supereu. Revista Ágora [online], Rio de Janeiro: Contracapa. IP/UFRJ, vol.IX, no. 1, janeiro a junho de 2006, p. 79-89.

Zafiropoulos, M. (1994). O toxicômano não existe – Fenomenologia da experiência toxicomaníaca e referências psicanalíticas. In: Bittencourt, L. (org.). A vocação do êxtase: uma antologia sobre o homem e suas drogas (pp. 17-32). Rio de Janeiro: Imago / UERJ.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.