A construção metapsicológica do Sinthoma na obra lacaniana a partir da escrita de James Joyce

Joyce Marly Gonçalves Freire, Mário Eduardo Costa Pereira, Luiz Carlos Avelino da Silva

Resumo


O objetivo deste artigo é o de abordar a construção metapsicológica do Shintoma na obra lacaniana a partir do modo pelo qual a posição subjetiva de James Joyce se estrutura: o infatigável trabalho em torno do reconhecimento do nome – o nome de seu pai – e a publicação de sua obra. A construção desse nome contorna a foraclusão de fato na vida de Joyce e as reflexões de Lacan fazem dela um paradigma para se pensar sobre o trabalho psicanalítico possível na psicose, bem como sobre a questão do fim da análise. Recorre-se a alguns seminários da obra de Lacan no que tange à questão da clínica da psicose, sobretudo, ao seminário da década de setenta O sinthoma.

Palavras-chave


psicose; foraclusão; sinthoma; literatura.

Texto completo:

PDF

Referências


Burtin-Vinholes, S. (1953). Dicionário francês-português. Porto Alegre: Globo.

Dör, J. (1993). Introdução à obra de Lacan: o inconsciente estruturado como linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas.

Ellmann, R. (1989). James Joyce. São Paulo: Globo.

Freud, S. (1900/1996). A interpretação dos sonhos (I). Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. IV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1911/1996). Notas psicanalíticas sobre um relato autobiográfico de um caso de paranóia. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. IV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915/1996). O inconsciente. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1920/1996). Além do princípio de prazer. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XVIII. Rio de Janeiro: Imago.

Julien, P. (1999). As psicoses. Um estudo sobre a paranóia comum. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Katz, C. S. (org.). (1991). Psicose, uma leitura psicanalítica. São Paulo: Escuta.

Lacan, J. (1938/1981). A família. Coleção Pelas Bandas da Psicanálise. Lisboa: Assírio e Alvim.

Lacan, J. (1949/1998). O estádio do espelho como formador da função do eu (tal como nos é revelada na experiência psicanalítica). Comunicação feita ao XVI Congresso Internacional de Psicanálise, Zurique, 17 de julho de 1949. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1955-1956/1985). O seminário, livro 3: as psicoses. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1957/1998). De uma questão preliminar a todo tratamento possível da psicose. Lacan, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1975-1976). Seminario 23. El Sinthoma. Versión crítica, para circulación interna de la Escuela Freudiana de Buenos Aires.

Soler, C. (1998). A psicanálise na civilização. Rio de Janeiro: Contra Capa.

Shakespeare, W. (1969). Hamlet. Obra completa, v. I. Rio de Janeiro: Aguilar.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.