Feminilidade não toda: uma revisão sistemática de literatura.

Flávia Angelo Verceze, Silvia Nogueira Cordeiro

Resumo


Ao escutar as histéricas, Freud foi um dos primeiros estudiosos a se perguntar sobre a questão da feminilidade e da sexualidade feminina. Lacan retoma os caminhos de Freud e traz importantes contribuições para estudo do feminino. Todavia, dentro da psicanálise, este é ainda um tema de muita controvérsia, devido às grandes transformações sociais em relação aos padrões de feminilidade e sexualidade feminina. Neste sentido, o presente artigo teve como objetivo entender como a feminilidade e a sexualidade feminina têm sido abordadas dentro da psicanálise na perspectiva de Freud e Lacan nos últimos anos. Foi realizada uma revisão sistemática de literatura sobre o tema com o recorte de tempo de 2000 a 2018, visto que este período corresponde à mudança do século XX para o século XXI, que apresenta um novo contexto social, político e econômico. Os estudos que compuseram o banco final foram explorados de maneira pormenorizada. Nesta análise prezou-se tanto por aspectos quantitativos – dados mais gerais dos artigos - como qualitativos, em que foi realizada uma análise da teoria apresentada, levando a uma síntese do fenômeno estudado por meio de quatro categorias: a feminilidade e a relação pré-edípica, a feminilidade e o real: a lógica não toda fálica, a mulher e o amor, e a feminilidade e a maternidade. Pode-se concluir que a teoria psicanalítica lacaniana representou um grande avanço no entendimento do feminino, ampliando a compreensão para além da diferença sexual anatômica ou segundo uma concepção naturalística baseada no corpo biológico da mulher. O padrão de feminilidade se transformou, abrindo caminhos para novas formas de sexuação na mulher, embora algo de inominável ainda permaneça, que escapa à palavra.


Palavras-chave


feminilidade; sexualidade feminina; psicanálise lacaniana

Apontamentos

  • Não há apontamentos.