A emergência da inquietante estranheza: Um ensaio de análise fílmica de "O estudante de Praga”

Ana Paula Bellochio Thones, Amadeu Weinmann

Resumo


Este ensaio questiona as razões pelas quais o filme O estudante de Praga é frequentemente tomado como referência para abordar o conceito psicanalítico unheimlich. Propomos como pergunta: a experiência do estranho-familiar poderia ocorrer de acordo com o encadeamento fílmico? Com essa questão no horizonte, analisamos plano a plano uma cena, na qual o personagem Scapinelli visita o quarto do protagonista Balduin e lhe oferece uma quantia em dinheiro em troca de qualquer coisa do estudante que esteja no local. O jovem perde sua imagem especular, que se torna seu duplo, fenômeno apontado por Freud como um dos motivos para o surgimento do afeto unheimlich. Ao dispor-se a renunciar ao florete, que garante a Balduin o registro do Ideal do eu, constatamos que o estudante fica refém de um jogo de imagens que favorece o surgimento da experiência do unheimlich.

Palavras-chave


Estranho; duplo; eu ideal; ideal do eu; análise fílmica.

Texto completo:

PDF

Referências


Baudry, J. (2008). Cinema: efeitos ideológicos produzidos pelo aparelho de base. In Xavier, I. (org.), A experiência do cinema, 4a ed. (V. Dantas, Trad.) (p. 383-399). Rio de Janeiro, RJ: Graal. (Original publicado em 1970)

Bellour, R. (2000). System of a fragment (on The Birds). In Bellour, R. (Org.), The analysis of film (B. Brewster, Trad.) (p. 28-67). Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press. (Original publicado em 1969)

Breda, F. (2007). O pequeno incrível Hulk – questões sobre o duplo. Rev. Assoc. Psicanal. Porto Alegre, 33, 80-89.

Cánepa, L. (2006). Expressionismo alemão. In Mascarello, F. (org.), História do cinema mundial (p. 55-88). Campinas, SP: Papirus.

Freud, S. (1986). Lo ominoso. In Freud, S. [Autor], Sigmund Freud: obras completas, v. 17 (Etcheverry, Trad.). Buenos Aires, Argentina: Amorrortu. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (1996). O estranho. In Freud, S. [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. 17 (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (2004). À guisa de introdução ao narcisismo. In Freud, S. [Autor], Escritos sobre a psicologia do inconsciente, v. 1 (L. A. Hanns, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Original publicado em 1914)

Freud, S. (2010). O eu e o id. In Freud, S. [Autor], Freud: obras completas, v. 16 (P. C. Souza, Trad.). São Paulo, SP: Companhia das Letras (Original publicado em 1923)

Galeen, H. (Dir.r), & Sokal, H. R. (Prod.). (1926). Der Student Von Prag [filme]. Alemanha: Sokal-Film. Recuperado em 27 abr. 2016 de .

Kohatsu, L. (2013). Cinema expressionista alemão: o estranho, o estranhamento e o efeito de estranhamento. Impulso, 23(57), 103-118.

Kuntzel, T. (1972). Le travail du film. Communications, 19, 25-39.

Lacan, J. (1983). O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud (B. Milan, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Seminário original de 1953-1954)

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In Lacan, J. [Autor], Escritos (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Original publicado em 1949)

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: a angústia (V. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Seminário original de 1962-1963)

Muller, A. (2008). O estudante de Praga: o espelho, o duplo, o autor. In Hamburguer, E., Souza, G., Mendonça, L., & Amancio, T. (orgs.), Estudos de cinema – SOCINE (p. 15-23). São Paulo, SP: Fapesp.

Netto, G. (2010). O cinema alemão no tempo de Freud. Leitura Flutuante: Revista do Centro de Estudos em Semiótica e Psicanálise, 2, 1-17.

Oudart, J. P. (1977). Cinema and suture. Screen, 18(4), 35-47. (Original publicado em 1969)

Rank, O. (1976). El doble: un estudio psicoanalítico (F. Mazía, Trad.). Buenos Aires, Argentina: Orion. (Original publicado em 1914)

Roudinesco, E., & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise (V. Ribeiro, & L. Magalhães, Trads.). Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Saban, R. (2014). El psicoanálisis en el cine: primera sesión. Ética y Cine Journal, 4(3), 35-43.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.