A escuta-flânerie como efeito ético-metodológico do encontro entre Psicanálise e Socioeducação

Rose Gurski

Resumo


Este artigo relata a trajetória de construção da escuta-flânerie, um dispositivo de pesquisa-intervenção de caráter metodológico, cujas origens remontam à metodologia iniciada por XXXX em sua tese de doutorado, na qual foi construído o dispositivo do ensaio-flânerie. No encontro da psicanálise com a socioeducação, tornou-se possível seguir os estudos que já vínhamos fazendo a partir da articulação da escuta psicanalítica com o tema da experiência e do flâneur em Benjamin e Baudelaire (XXXX). Escolher Benjamin e Baudelaire, em articulação com a escuta psicanalítica, a fim de traçar o caminho deste diálogo com o mal-estar na socioeducação implica compreender a contemplação do flâneur e da flânerie como um dispositivo que empresta uma posição possível ao pesquisador-psicanalista na Instituição. Ao nos colocarmos na posição de flâneur e oferecermos a possibilidade de uma fala livre e mais implicada com o tempo de cada um, dentro da instituição, evocamos o surgimento de uma narrativa mais próxima das questões do sujeito. Sustentar essa condição temporal comum ao psicanalista e ao flâneur tem se colocado como um desafio crescente na pesquisa. É deste modo que a flânerie, em associação à escuta, colabora com a teorização acerca da metodologia usada, enriquecendo nossos meios de falar da experiência e da construção desse espaço de intervenção e de pesquisa desde a Psicanálise na socioeducação.


Palavras-chave


Psicanálise; socioeducação; escuta-flânerie; socioeducadores

Referências


Aichhorn, A. (2006). Juventud Desamparada. Barcelona: Gedisa. (Obra original publicada em 1925).

Arendt, H. (1987). Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das letras. (Obra original publicada em 1955).

Benjamin, W. (1989). Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. Obras Escolhidas III. São Paulo: Brasiliense.

Benjamin, W. (2006). Paris, a capital do século XIX. In: Benjamin, W. Passagens. Belo Horizonte: UFMG. (Obra original publicada em 1935).

Benjamin, W. (2012). Experiência e Pobreza. In Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e histórias da cultura. Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense. (Obra original publicada em 1933).

Benjamin, W. (2012). O Narrador. In Benjamin, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e histórias da cultura. Obras Escolhidas I. São Paulo: Brasiliense. (Obra original publicada em 1936).

Betts, J. (2014). Desamparo e vulnerabilidade no laço social – a função do psicanalista. Revista da APPOA, 45-46, 09-19.

Brasil. (2014). Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Governo do Rio Grande do Sul. Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos. Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul. PEMSEIS: Programa de Execução de Medidas Socioeducativas de Internação e Semiliberdade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SDH & FASE.

Brasil. (2014). Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Governo do Rio Grande do Sul. Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos. Fundação de Atendimento Socioeducativo do Rio Grande do Sul. PEMSEIS: Programa de Execução de Medidas Socioeducativas de Internação e Semiliberdade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: SDH & FASE.

Calligaris, C. (1991). O inconsciente em Lacan. In: Knobloch, F. et al. (Orgs.) O inconsciente: várias leituras. São Paulo: Escuta.

Castro, L. R. (2008). Conhecer, transformar(-se) e aprender: pesquisando com crianças e jovens. In: Castro, L. R. & Besset, V. L. (Orgs.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Nau Editora.

Chemama, R. (1995). Dicionário de Psicanálise – Larousse. Porto Alegre: Artes Médicas.

Cifali, M. & Imbert, F. (1999). Freud e a Pedagogia. São Paulo: Loyola.

Derrida, J. & Roudinesco, E. (2004). De que amanhã. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Eissler, K. (2006). Prefácio. In: Aichhorn, A. Juventud Desamparada. Barcelona: Gedisa Editora.

Elia, L. (1999). A transferência na pesquisa em psicanálise: lugar ou excesso? Revista Psicologia: Reflexão e Crítica, 12, 3.

Freud, S. (2004). Diário de Sigmund Freud: 1929-1939. Crônicas Breves. Porto Alegre: Artmed.

Freud, S. (2010). O mal-estar na cultura. Porto Alegre: L&PM. (Obra original publicado em 1930).

Freud, S. (2010). Recomendações ao médico que pratica a psicanálise. In: Freud, S. Obras Completas (vol. 10). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1912).

Freud, S. (2012). Prefácio a Juventude Desorientada, de Aichhorn. In: Freud, S. Obras Completas (vol. 16). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1925).

Freud, S. (2012). Psicologia das massas e análise do eu. In: Freud, S. Obras completas (vol. 15). São Paulo: Companhia das Letras. (Obra original publicada em 1921).

Garcez, M. & Cohen, R. (2011). Ponderações sobre o tempo em psicanálise e suas relações com a atualidade. Psicologia em Revista, 17, 3, Belo Horizonte, 348-362.

Holanda, I. P. (2012). A doutrina da situação irregular do menor e a doutrina da proteção integral. Revista Âmbito Jurídico, 15(106).

Iribarry, I. N. (2003). O que é pesquisa psicanalítica?. Revista Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 6(1), 115-138.

Koltai, C. (2014). O desejo do psicanalista face ao desamparo contemporâneo. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 45-46, 20-31.

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1964).

Lacan, J. (1985). O Seminário, livro 2: O Eu na Teoria de Freud e na Técnica da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Obra original publicada em 1954-55).

Lacan, J. (1986). O seminário, livro 1: Os escritos técnicos de Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1953-54).

Lacan, J. (1993). O seminário, livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1972-73).

Lacan, J. (1998). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In: Lacan, J. Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1958).

Lacan, J. (1998). Discurso de Roma. In: Lacan, J. Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1953).

Lacan, J. (2003). Televisão. In Lacan, J. Outros Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Obra original publicada em 1974).

Lacan, J. (2010). O seminário, livro 7: a ética da Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar. (Obra original publicada em 1959-1960).

McGuigan, F. J. (1976). Psicologia Experimental: uma abordagem metodológica. São Paulo: EPU.

Mendes, A. A. (2015). O efeito-equipe e a construção do caso clínico. Curitiba: CRV Editora.

Parré de Souza, L. (2017). Sobre o vínculo educativo e a ação de segurança por parte dos agentes de segurança socioeducativos. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social, UFMG, Minas Gerais.

Pereira, M. R. (2016). O nome atual do mal-estar docente. Belo Horizonte: Fino Traço.

Poli, M. C. (2005). A pesquisa em Psicanálise. Revista da Associação Psicanalítica de Porto Alegre, 29, 42-47.

Quinet, A. (2000). As 4+1 condições da análise. Rio de janeiro: Zahar.

Rickes, S. et al. (2006). Projeto de Pesquisa Oficinas Terapêuticas: Possibilidades, Impossibilidades e Impasses de um Trabalho Gerúndio. UFRGS.

Rosa, M. D. (2016). Clínica Psicanalítica em Face da Dimensão Sociopolítica do Sofrimento. São Paulo: Editora Escuta.

Sarlo, B. (2013). Sete ensaios sobre Walter Benjamin e um lampejo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Seligmann-Silva, M. (2009). A atualidade de Walter Benjamin e de Theodor W. Adorno. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Vorcaro, A., Mendes, A., Miranda, N. & Souto, B. (2015). Construção do caso clínico em instituições. [Resumo]. In: Resumos da XV Jornada Corpolinguagem/VII Encontro Outrarte. Montevidéu, Uruguai.

Waiselfisz, J. J. (2014). Mapa da violência. Os jovens do Brasil. Brasil: FLACSO.

Outras referências serão acrescentadas após aceite


Apontamentos

  • Não há apontamentos.