A dupla potencialidade do irrepresentável e a negatividade necessária: trauma e pulsão de morte

Monah Winograd

Resumo


Este artigo analisa, a partir de revisão da literatura e articulações teóricas, a dupla potencialidade do não representado, da negatividade e do vazio psíquico, os quais, ao mesmo tempo que apontam para um limite do aparelho psíquico, o lançam para o trabalho, contribuindo para a constituição e diferenciação da subjetividade. Entendemos que o que é tomado pelo psiquismo, em um primeiro momento, como um obstáculo, impassível de digestão mental, em um segundo momento, pode se tornar motor de criação que gerará um novo limite. Essa concepção pode ser deduzida do próprio modo de funcionamento do psiquismo: se, de um lado, pode haver um limite circunstancial de processamento da estimulação endógena e exógena que alcança o aparelho psíquico, de outro lado, através do mecanismo de compulsão à repetição, por exemplo, o esforço do processamento psíquico opera de forma interminável. Os diferentes modelos a partir dos quais o conceito de trauma pode ser pensado servirão de fio condutor para analisar os efeitos e os destinos psíquicos do irrepresentado, bem como para articular essas ideias com os conceitos de repetição e pulsão de morte.

Palavras-chave


irrepresentado; negatividade; repetição; pulsão de morte; trauma.

Texto completo:

PDF

Referências


André, J. (2008). O acontecimento e a temporalidade: o après-coup no tratamento. Ide, 31 (47), 139-167.

Bokanowski, T. (2002). Traumatisme, traumatique, trauma. Revue française de psychanalyse, 66, 745-757.

Bokanowski, T. (2005). Variações do conceito de traumatismo: traumatismo, traumático, trauma. Revista Brasileira de Psicanálise, 39 (1), 27-38.

Cardoso, M. R. (2011). Das neuroses atuais às neuroses traumáticas: continuidade e ruptura. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 14 (1), 70-82.

Castel, P. H. (2001). Comment peut-on avoir mal à l a memoire mémoire? Clinique et thérapeutique du souvenir traumatique. Recuperado de em (data da recuperação).

Dunker, C. I. L. (2006). A função terapêutica do real: trauma, ato e fantasia. Pulsional, XIX (186), 15-24.

Douville, O. (2003). Du choc au trauma... I ly y a plus d'un temps. Figures de la psychanalyse, 1 (8), 83-96.

Duparc, F. (2001). Análise com borda e análise sem borda. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 4 (4), 43-60.

Ferenczi, S. (1990). Diário clínico. São Paulo: Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011). A criança mal acolhida e sua pulsão de morte. In Ferenczi, S. [Autor], Obras completas: psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011). Análises de crianças com adultos. In Ferenczi, S. [Autor], Obras completas: psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011). Confusão de línguas entre os adultos e as crianças. Ferenczi, S. [Autor], Obras completas: psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes.

Ferenczi, S. (2011). Reflexões sobre o trauma. Ferenczi, S. [Autor], Obras completas: psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes.

Figueiredo, L. C. (1999). Palavras cruzadas entre Freud e Ferenczi. São Paulo: Editora Escuta

Figueiredo, L. C. (2008). Psicanálise: elementos para a clínica contemporânea. São Paulo: Escuta.

Freud, S. (1895). Projeto para uma psicologia científica [ Project for a Scientific Psychology]. SE 1, p. 333-454

Freud, S. (1896a). A hereditariedade e a etiologia das neuroses. SE 3, p. 143-162

Freud, S. (1896b). Carta 52. SE 1, p. 281-287

Freud, S. (1914). Recordar, repetir e elaborar SE 12, p. 159-172

Freud, S. (1920). Além do princípio de prazer. SE 18, p. 11-76

Freud, S. (1937). Construções em análise. SE 23, p. 271-288

Freud, S. (1939). Moisés e o monoteísmo: três ensaios. SE 23, p. 13-150

Garcia, C., & Damous, I. (2009). O silêncio no psiquismo: uma manifestação do trabalho do negativo patológico. Cadernos de psicanálise, 31 (22), 105-115.

Garcia-Roza, L. A. (1986). Acaso e repetição em psicanálise: uma introdução à teoria das pulsões. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Garcia-Roza, L. A. (1993). Introdução à metapsicologia freudiana, v. 2. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Green, A. (1988a). Pulsão de morte, narcisismo negativo, função desobjetalizante. In Green, A. (Ed.), A pulsão de morte (p. 57-68). São Paulo: Editora Escuta.

Green, A. (1988b). Narcisismo de vida, narcisismo de morte. São Paulo: Escuta.

Green, A. (1990). La loucura locura privada. Buenos Aires: Amorrortu editores.

Green, A. (1993). O trabalho do negativo. Porto Alegre: Artmed.

Green, A. (2010). Pourquoi les pulsions de destruction ou de mort? Paris: Ithaque.

Green, A. (2011). Répétition et compulsion de répétition. In Chevret, B. (Ed.), La compulsion de repetition (p. 63-70). Paris: PUF.

Janin, C. (2005). Au coeur de la théorie psychanalytique: le traumatisme. In Brette, F., Emmanuelli, M, & Pragier, G. (eds.), Le traumatisme psychique: organization organisation et disorganization désorganisation (p. 43-55). Paris: PUF.

Knobloch, F. (1998). O tempo do traumático. São Paulo: Educ.

Lejarraga, A., L. (1996). O trauma e seus destinos. Rio de Janeiro: Revinter

Maldonado, G., & Cardoso, M. R. (2011). O trauma psíquico e o paradoxo das narrativas impossíveis, mas necessárias. Psicologia Clínica, 21 (1), 45-57

Rosenberg, B. (1982), Masochisme mortifère mortifère et masochisme gardien de la vie. Les Cahiers du Centre de Psychanalyse et de Psychothérapie, Masochismes 5, 41-96.

Rosenberg, B. (1989). Pulsion de mort et intrication pulsionnelle ou pulsion de mort dans la construction et ou la pulsion de mort et la dimension masochique de l'existence. Revue Française de Psychanalyse, LIII (2), 557-576.

Rosenberg, B. (1995). Les sources pulsionelles de la négativité. In Green, A., Favarel-Garrigues, B., Guillaumin, J., & Fedida, P. (orgs.), Le négatif (p. 187-198). Paris: L'esprit du temps.

Roussillon, R. (1999). Agonie, clivage et symbolisation. Paris: PUF.

Roussillon, R. (2006). Paradoxos e situações limites da psicanálise. São Leopoldo: Unisinos.

Scarfone, D. (2013). O impassado, atualidade do inconsciente. In Report to Congress of French Speaking Psychoanalysts. Montreal.

Winnicott, D. (1960). O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. Porto Alegre: Artmed.

Winnicott, D. (1974). Explorações psicanalíticas. Porto Alegre: Artmed.

Zaltzman, N. (1994). A pulsão anarquista. São Paulo: Escuta.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.