Contribuições psicanalíticas para o Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade: revisão da literatura

Ana Paula Mucha Tonetto, Valeria Barbieri, Marcela Lança de Andrade, Claire Squires

Resumo


O Transtorno do Déficit de Atenção/Hiperatividade é considerado o principal transtorno do neurodesenvolvimento em crianças. A etiologia não é bem descrita, permitindo o estabelecimento de várias hipóteses causais. A psicanálise contribui com a compreensão ao evidenciá-lo como resultado tanto de fatores inconscientes, quanto sociais. Nesta revisão, os descritores "Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade" e "Psicanálise" foram utilizados em três idiomas (português, inglês e espanhol). Foram selecionados 32 artigos entre janeiro de 2006 e julho de 2018, nas bases de dados Lilacs, Pubmed, Embase e Scopus. Observou-se o aumento de estudos que relacionam o TDAH à Psicanálise, bem como um crescimento no desenvolvimento de técnicas próprias às particularidades do Transtorno, utilizadas no processo terapêutico em diferentes teorias psicanalíticas.


Palavras-chave


Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade; Psicanálise; Revisão; TDAH

Texto completo:

PDF

Referências


Adrian, V. (2014). ADHD: The relevance of associating pharmacotherapy and psychodynamic psychotherapy?. Annales Medico-Psychologiques, 172(4), 246-253.

Ajuriaguerra, J. (1970). Manuel de psychiatrie de l'enfant. Paris: Masson.

Alves, G. M. A. N., Neme, C. M. B., & Cardia, M. F. (2015). Avaliação neuropsicológica de crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) revisão da literatura. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 9(4), 65-74.

American Psychiatric Association. (2014). Manual diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais-: DSM-5. Porto Alegre: Artmed Editora.

Araya, S. (2011). La función de atención interferida por una configuración específica de la escena primaria en la mente materna. Rev. chil. psicoanal, 28(1), 104-112.

Benczik, E. B. P. (2010). Transtorno de déficit de Atenção. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Brant, L. C., & Carvalho, T. R. F. (2012). Metilfenidato: medicamento gadget da contemporaneidade. Interface, 16(42), 623-36.

Calvo, M. A. (2013). Psicoanálisis y tdah: el origen de la hiperactividad y los problemas de atención en las vivencias primeras. Cuadernos de psiquiatría y psicoterapia del niño y del adolescente, 1(56), 17-24.

Chambry, J., Billard, C., Guinard, M., Lacaze, E., Idiart, M. E., Delteil-Pinton, F., & Cohen, D. L. A. (2011). Attention deficit disorder: multidisciplinary observational study over 1 year. L'Encephale, 37(3), 180-190.

Cheida, R. S., & Monteiro, M. S. A. (2014). Sobre os sentidos sócio-técnicos da interação entre o metilfenidato e o conhecimento neurológico do TDA/H. Anais da ReACT-Reunião de Antropologia da Ciência e Tecnologia, 1(1). Recuperado em http://ocs.ige.unicamp.br/ojs/react/article/view/1194/648.

Chrzan-Dętko, M. (2013). In search of a meaning - Psychodynamic therapy with children experiencing externalizing disorders. Psychoterapia, 3(1), 61-69.

Conway, F. (2012). Psychodynamic psychotherapy of ADHD: A review of the literature. Psychotherapy, 49(3), 404-417.

da Silva Moreira, A., & Coutinho, L. G. (2018). Efeitos da medicalização na travessia adolescente. Revista de Psicologia, 9(1), 53-63.

Dias, E. O. (2011). A infância na psicanálise winnicottiana. Revista psicanálise, 18(2), 375-395.

Dias, G., & Badin, K. (2015). Comorbidades no transtorno de déficit de atenção/hiperatividade–transtorno específico da aprendizagem. In A. E. Nardi, J. Quevedo, & A. G. da Silva (Orgs), Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade: Teoria e clínica (pp. 131). Porto Alegre, RS: Artmed.

do Couto, D. P., & de Castro, J. E. (2015). Da higiene mental à higiene química: contribuições para um contraponto entre a criança tomada como objeto pelo higienismo e como sujeito de sua verdade pela psicanálise. Cad. Psicanál., 37(32), 135-157.

Dumas, J. E. (2011). Psicopatologia da infância e da adolescência. Porto Alegre, RS: Artmed.

Günter, M. (2014). Attention deficit hyperactivity disorder (ADHD): An affect‐processing and thought disorder?. The International Journal of Psychoanalysis, 95(1), 43-66.

Hora, A. F., Silva, S., Ramos, M., Pontes, F., & Nobre, J. P. (2015). A prevalência do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH): uma revisão de literatura. Psicologia, 29(2), 47-62.

Itaborahy, C., & Ortega, F. (2013). Methylphenidate in Brazil: a decade of publications. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3), 803-816.

Jones, B., & Allison, E. (2010). An integrated theory for attention-deficit hyperactivity disorder [ADHD]. Psychoanalytic Psychotherapy, 24(3), 279-295.

Laidlaw, C., & Howcroft, G. (2015). Encountering a cartwheeling princess: relational psychoanalytic therapy of a child with attachment difficulties and ADHD. Journal of Child & Adolescent Mental Health, 27(3), 227-245.

Lebovic, A. (2014). “El Juego del engaño” vicisitudes de un tratamiento psicoanalítico con un niño con una patología grave. Rev. univ. psicoanál, 14(1), 57-70.

Legnani, V. N. (2012). Efeitos imaginários do diagnóstico de TDA/H na subjetividade da criança. Fractal: Revista de Psicologia, 24(2), 307-322.

Legnani, V. N., & Almeida, S. F. C. D. (2009). Hiperatividade: o" não-decidido" da estrutura ou o" infantil" ainda no tempo da infância. Estilos da clínica, 14(26), 14-35.

Lopes, A. C. D. (2009). TDAH: um apelo ao pai?. Tempo psicanal., 41(2), 313-328.

Lopes, A. C. D. (2012). Mamãe faz cem anos. O TDAH e a atualidade da mãe devoradora. aSEPHallus, 7(13), 85-95.

Machado, C. M., Luiz, A. M. A. G., Marques Filho, A. B., Miyazaki, M. C. D. O. S., Domingos, N. A. M., & Cabrera, E. M. S. (2014). Ambulatório de psiquiatria infantil: prevalência de transtornos mentais em crianças e adolescentes. Psicologia: teoria e prática, 16(2), 53-62.

Mariotto, R. M. M. (2012). Considerações teórico-clínicas sobre a hiperatividade em crianças. Assoc. psicanal. Curitiba, 24(1), 105-115.

Martins, A. C. G., Souza, N. S. D., Machado, D. D. C. D., Bastos, V. H., Orsini, M., & Barbosa, A. D. M. (2014). Historical and diagnostic trajectory of attention deficit hyperactivity disorder (ADHD): a literature review. Revista Brasileira de Neurologia, 50(2), 26-32.

Matos, R. P. C. (2013). Elementos para entender o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade: TDAH. Estilos da Clínica, 18(2), 342-357.

Mellier, D. (2013). Toddler's agitation, a review of literature. Neuropsychiatrie de l’Enfance et de l’Adolescence, 61(3), 160-165.

Neto, F. K., & Santos, R. A. N. (2013). TDA/H e o Neurocentrismo: reflexões acerca dos sintomas de desatenção e hiperatividade e seu lugar no registro das bioidentidades. Vínculo, 10(1), 38-44.

Organização Mundial de Saúde. (1993) Classificação de transtornos mentais e de comportamentos da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre, RS: Artmed.

Pozzi-Monzo, M. (2012). Ritalin for whom? Revisited: further thinking on ADHD. Journal of Child Psychotherapy, 38(1), 49-60.

Renard, U. (2012). L'invention de l'hyperactivité: quand le test confirme la nosographie et vice-versa. Figures de la psychanalyse, 1(2), 87-97.

Rodrigues, A. C. P. V., & Leite, Á. J. M. (2016). Transtorno do déficit de atenção com hiperatividade: causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Revista de Medicina da UFC, 56(2), 72.

Rohde, L. A. P., & Halpern, R. (2004). Transtorno de Atenção/Hiperatividade: Atualização. Jornal de Pediatria, 80(2), 61-70.

Salomonsson, B. (2017). Interpreting the inner world of ADHD children: psychoanalytic perspectives. International journal of qualitative studies on health and well-being, 12(sup1), 1298269.

Thisted, J. A. (2011). Psychoanalysis and social anthropology. Vertex (Buenos Aires, Argentina), 23(105), 364-368.

Waska, R. (2014). Attention deficit disorder or object detachment disorder: a brief psychoanalytic case study. Psychoanalytic review, 101(3), 367-383.

Yanof, J. A. (2011). Treating children with affect dysregulation. Discussion of Dr. Wendy Olesker's analysis of Matt. The Psychoanalytic study of the child, 66(1), 109-121.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.