Reflexões sobre a compulsão à repetição a partir de correlações com o mito de Sísifo

Ana Flávia Cicero Conde, Paulo José da Costa

Resumo


Este artigo objetiva investigar o conceito de compulsão à repetição na obra freudiana, com o intuito de trazer clarificações para a complexidade que o envolve. O método empregado foi a pesquisa teórica sobre psicanálise, sendo que foi utilizado o mito de Sísifo para fazer correlações com o conceito estudado, porque nele foram encontrados modelos de comportamentos repetitivos e a mitologia sempre se mostra como uma fonte rica de reflexões sobre o humano. Foram correlacionados três momentos presentes na dinâmica da compulsão à repetição com outros três encontrados no mito de Sísifo por possuírem elementos comuns que descrevem, num primeiro momento, transgressões e excessos; num segundo, repetições compulsivas e inexoráveis; e, por fim, num terceiro, possibilidades de restauração da ordem e redenção. Assim, chegou-se a considerações acerca da compulsão à repetição que a descrevem como um mecanismo associado ao encontro do psiquismo com o excessivo, desligado e traumático.


Palavras-chave


compulsão à repetição; Sísifo; psicanálise.

Texto completo:

PDF

Referências


Birman, J. (2012). O sujeito na contemporaneidade: espaço, dor e desalento na atualidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Brandão, J. S. (1986). Mitologia Grega, v.1. Petrópolis, RJ: Vozes.

Camus, A. (2007). O mito de Sísifo. 4a ed. Rio de Janeiro: Record. (Original publicado em 1942)

Domb, I. C. (2011). Reflexionando acerca del concepto de compulsión a la repetición. Revista Chilena de Psicoanálisis, 28(1), 95-103.

Emidio, T. S., & Hashimoto, F. (2011). Histórias de uma antiga relação: uma compreensão da presença dos conteúdos mitológicos na construção do pensamento psicanalítico de Sigmund Freud. Revista de Psicologia da UNESP, 10(1), 24-38.

Franchini, A. S., & Seganfredo, C. (2007). As 100 melhores histórias da mitologia: deuses, heróis, monstros e guerras da tradição greco-romana. 9a ed. Porto Alegre: L&PM. (Original publicado em 2003)

Freud, S. (2010). Introdução ao narcisismo. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 12. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1914a)

Freud, S. (2010). Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 10. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1914b)

Freud, S. (2010). O inquietante. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 14. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (2010). Além do princípio do prazer. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 14. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1920)

Freud, S. (2011a). O Eu e o Id. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 16. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1923)

Freud, S. (2011). O problema econômico do masoquismo. In S. Freud [Autor], Obras completas, v. 16. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1924)

Garcia-Roza, L. A. (2014). Acaso e repetição em psicanálise: uma introdução à teoria das pulsões. 2a. ed. Rio de Janeiro: Zahar. (Original publicado em 1986)

Greene, L., & Sharman-Burke, J. (2001). Uma viagem através dos mitos: o significado dos mitos como um guia para a vida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Original publicado em 1999)

Katz, G. (2009). Recordar, repetir e elaborar: uma visão a partir dos procedimentos autocalmantes. Psicanálise, 11(2), 85-95.

Laplanche, J., & Pontalis, J.-B. (2001). Vocabulário de psicanálise. 4a. ed. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1982)

Leite, I. F. S. (2010). Criação, Hýbris e transgressão na mitologia heroica. Recuperado em 15 de agosto de 2017 de .

Mezan, R. (1993). Que significa pesquisa em psicanálise. In M. E. L. Silva (Coord.). Investigação e psicanálise (p. 49-89). Campinas: Papirus.

Migliavacca, E. M. (2002). Dupla face do mito: modelo e função. Revista Brasileira de Psicanálise, 36(2), 251-262.

Miranda, O. B., & Faveret, B. M. S. (2011). Compulsão à repetição e adicção. Psicanálise & Barroco em revista, 9(2), 147-160.

Naffah Neto, A. (2006). A pesquisa psicanalítica. Jornal de Psicanálise, 39(70), 279-288.

Pereira, D. R., & Migliavacca, E. M. (2015). Compulsão à repetição na metapsicologia freudiana. Revista de Psicanálise, 22(1), 119-139.

Romanowski, R. (2012). Um estudo sobre fenômenos repetitivos e a compulsão à repetição. Revista de psicanálise da SPPA, 19(1), p.155-192.

Silva, R. I. (2013). Da governabilidade do mytos ao esclarecimento do logos: Narciso, Odisseu e os padrões de beleza corporal. Movimento, 19(4), 141-162.

Vanegas, L. E. C., & Trujillo, J. M. (2013). Narración-mitología, una nueva metodología. Dissertação de Mestrado, Universidad Católica de Manizales, Manizales, Caldas, Colômbia. Recuperado em 20 de agosto de 2017 de .

Versiani, R. (2008). Mito e psicanálise. Dissertação de Mestrado, Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Zavala, I. M. (2004). Sísifo, América y la repetición. Contexto, 8(10), 91-118.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.