Feminilidade não toda: uma revisão sistemática de literatura

Flávia Angelo Verceze, Silvia Nogueira Cordeiro

Resumo


Ao escutar as histéricas, Freud foi um dos primeiros estudiosos a se perguntar sobre a questão da feminilidade e da sexualidade feminina. Lacan retoma os caminhos de Freud e traz importantes contribuições para estudo do feminino. Todavia, dentro da psicanálise, esse é ainda um tema de muita controvérsia, devido às grandes transformações sociais em relação aos padrões de feminilidade e sexualidade feminina. Nesse sentido, o presente artigo teve como objetivo entender como a feminilidade e a sexualidade feminina têm sido abordadas dentro da psicanálise na perspectiva de Freud e Lacan nos últimos anos. Foi realizada uma revisão sistemática da literatura sobre o tema com o recorte de tempo de 2000 a 2018, visto que este período corresponde à mudança do século XX para o século XXI, que apresenta um novo contexto social, político e econômico. Os estudos que compuseram o banco final foram explorados de maneira pormenorizada. Nesta análise prezaram-se tanto os aspectos quantitativos – dados mais gerais dos artigos – como qualitativos e foi realizada uma análise da teoria apresentada, o que levou a uma síntese do fenômeno estudado por meio de quatro categorias: a feminilidade e a relação pré-edípica, a feminilidade e o real: a lógica não toda fálica, a mulher e o amor, e a feminilidade e a maternidade. Pode-se concluir que a teoria psicanalítica lacaniana representou um grande avanço no entendimento do feminino, ampliando a compreensão para além da diferença sexual anatômica ou segundo uma concepção naturalística baseada no corpo biológico da mulher. O padrão de feminilidade se transformou, abrindo caminhos para novas formas de sexuação na mulher, embora algo de inominável ainda permaneça, algo que escapa à palavra.

Palavras-chave


feminilidade; sexualidade feminina; mulher; psicanálise lacaniana.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. (1993). A psicanálise e a mulher: feminino plural (Dissertação). Rio de Janeiro, RJ – Brasil.

André, S. (1998). O que quer uma mulher. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bassols, M. (2017). O feminino, entre centro e ausência. Opção Lacaniana, 8(23), 1-15.

Bonfim, F. (2014). Todo fálico e não-todo: ccanianasonstruções la sobre a sexuação. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 14(1), 201-213.

Bonfim, F., & Vidal, P. (2009). A feminilidade na psicanálise: Controvérsia quanto à primazia fálica. Fractal: Revista de Psicologia, 21(3), 539-548.

Coelho, D. C. S., & Wollmann, A. (2017). A maternidade como saída edípica : Considerações sobre a feminilidade. Cadernos da Escola de Saúde, 17(1), 10-24.

Costa, A. B., & Zoltowski, A. P. C, & Costa, A. B. (2014). Como escrever um artigo de revisão de sistemática. In, P. Coutto Koller, & J. V. Hohendorff (Orgs.), Manual de produção científica (p. 55-69). Porto Alegre: Penso.

Cristina, A. (2017). O feminino e a perspectiva lacaniana de superação da lógica fálica. Reverso, 39(74), 39-46.

Del Corso, M. G. R. (2016). De que padecem as mulheres? O (in)suportável do sofrimento. Biblioteca Virtual do Instituto Vox de Pesquisa em Psicanálise. São Paulo.. Recuperado em XXX de .

Domingues, M. R. C. (2014). Estudo epistemológico da teoria freudiana da feminilidade. Diálogo, 25, 123-132.

Ewerton, A. (2013). O amor e o feminino no século XXI. Opção Lacaniana, 10, 1-5.

Freud, S. (1996). A organização genital infantil: uma interpolação na teoria da sexualidade. In S. Freud [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XIX. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923-1924)

Freud, S. (1974). Sexualidade feminina. In S. Freud [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, v. XXI. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1931)

Freud, S. (1974). Sobre o narcisismo: uma introdução. Edição standart brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud [Autor}, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914)

Gomes, R. R. & Fernandes, A. H. (2002). A feminilidade e o inconsciente. Pulsional Rev. de Psicanálise, 15(159).

Hohendorff, J. V. (2014). Como escrever um artigo de revisão de literatura. In P. Coutto Koller, & J. V. Hohendorff (Orgs.). Manual de produção científica (p. 40-54). Porto Alegre: Penso.

Jerusalinsky, J. (2009). A criação da criança: Letra e gozo nos primórdios do psiquismo (tese). São Paulo, SP: Brasil.

Kehl, M. R. (2016). Deslocamentos do feminino: A mulher freudiana na passagem para a modernidade (2 ed.). São Paulo: Boitempo.

Kuss, A. (2016). Feminilidade, amor e devastação: Alguns pontos de encontro entre Freud e Lacan. Argumento, 34(86), 243-255. https://doi.org/10.7213/psicol.argum.34.086.AO05

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 20: mais ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Seminário original de 1972-1973)

Lacan, J. (1988). Diretrizes para um congresso sobre a sexualidade feminina. In Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original de 1960)

Lacan J. (2009). O seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original de 1971)

Lima, G. G. (2006). Da mãe a mulher: os circuitos do amor, desejo e gozo. (tese). São Paulo – SP, Brasil. Retrieved from file:///C:/Users/Lena/Desktop/MESTRADO UEL/artigos pesquida bibliográfica p mestrado/feminilidade e maternidade/da mulher a mae – tese.pdf.

Marcos, C. M. (2011). Considerações sobre o feminino e o real na psicanálise. Psicologia em Estudo, 16(1), 149–156. https://doi.org/10.1590/S1413-73722011000100017

Poli, M. C. (n.d.). O feminino, além do édipo. SIG Revista de Psicanálise, 23-29.

Queiroz, E. F. de, Regina, E., & Siqueira, A. de. (2017). O desafio do feminino no século XXI. Estudos de Psicanálise, (47), 141-148.

Teixeira, M. (1991). A feminilidade na psicanálise e outros ensaios. Salvador: Ágalma.

Thomazini, S. O., & Scapin, A. (2015). Feminilidade: explorando os impasses do tornar-se mulher, estabelecidos na relação mãe e filha. Revista UNINGÀ Review, 23, 83-88.

Zafiropoulos, M. (2009). A teoria freudina da feminilidade: de Freud a Lacan. Reverso, 31(58), 15-24.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.