A mudança em psicanálise e a psicanálise em mudança. Parte I

António Pazo Pires

Resumo


O tema é como é vista a ação terapêutica em psicanálise hoje e no passado. Defendo a ideia de que se assiste com frequência a uma sobrevalorização das visões e intervenções tradicionais com desconhecimento das conceptualizações e descobertas mais recentes, e noutros casos por uma preferência pelas novas formas de conceptualização e intervenção e desvalorização excessiva das mais antigas. Conceitos-chaves no processo terapêutico como a recordação, o insight, a interpretação, a resistência, neutralidade e a transferência foram reformulados ou deixaram de ser o centro da atuação e viram diminuída a sua importância, cedendo a relevância a conceitos como a contratransferência, identificação projetiva e, mais recentemente, a relação, o enactment, a emoção, as relações interpessoais fora do setting, e o futuro do paciente. A psicanálise virou a sua atenção do paciente para analista. Discutem-se as mudanças das visões tradicionais em visões contemporâneas e as suas implicações em dois textos. Neste texto, identificado como a primeira parte, vamos abordar a recordação, o insight, interpretação, resistência e neutralidade. Os restantes serão abordados na segunda parte.

Palavras-chave


ação terapêutica; recordação; insight; interpretação; resistência; neutralidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Abraham, K. (1919). A particular form of neurotic resistance against the psycho-analytic method. In Selected Papers on Psychoanalysis, p. 303-311. London: Karnac.

Aron, L. (1996). A meeting of minds. Mutuality in psychoanalysis. New York: Routledge.

Bion, W. (1967/1990). Notas sobre a memória e desejo. In E. B. Spillius (Ed). Melanie Klein hoje. Desenvolvimentos da teoria e da técnica. Volume 2: artigos predominentemente técnicos. Rio de Janeiro: Imago.

Bollas, C. (1987). The shadow of the object. London: Free Association Books.

Bollas, C. (1992). Forças do destino. Psicanálise e idioma humano. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1989)

Bromberg, P. (2011). The shadow of the tsunami and the grow of the relational mind. New York: Routledge.

Cooper, A. (1989). Concepts of therapeutic effectiveness in psychoanalysis. A historical review. Psychoanalytic Inquiry, 9, 4-25.

Cooper, A. (1992). Psychic change: development in the theory of psychoanalytic techniques: 37th IPA Congress Overview. International Journal of Psychoanalysis, 73, 245-250.

Fairbairn, W. R. D. (1981). Psychoanalytic studies of the personality. London: Routledge. (Original publicado em 1952)

Ferenczi, S. (1992). Elasticidade da técnica psicanalítica. In S. Ferenczi [Autor], Obras completas - Psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1928)

Ferenczi, S. (1992). Análises de crianças com adultos. In S. Ferenczi [Autor], Obras completas - Psicanálise IV. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em1931)

Ferenczi, S. (1992). Confusão de língua entre os adultos e a criança. A linguagem da ternura e da paixão. In S. Ferenczi [Autor], Obras completas. São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1933)

Ferenczi, S., & Rank, O. (1986). The development in psychoanalysis. Madison, CT: International University Press. (Original publicado em 1924)

Fonagy, P., & Target, M. (1999). Memory and therapeutic action. International Journal of Psychoanalysis, 80(2), 215-224.

Freud, S. (1914). Recordar, repetir e elaborar. Novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II. In S. Freud [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914)

Freud, S. (1919). Linhas de progresso na terapia psicanalítica. In S. Freud [Autor], Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1919)

Freud, A. (2006). O ego e os mecanismos de defesa. Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 1936)

Greenson, R. (1967). The technique and practice of psychoanalysis. New York: International University Press.

Guntrip, H. (1969). Schizoid phenomena. Object relations and the self. New York: International University Press.

Hoffman, I. (1983). The patient as interpreter of the analyst´s experience. Contemporary Psychoanalysis, 19, 389-422.

Jacobs, T. (2013). The possible profession. The analytic process of change. London: Routledge.

Joseph, B. (1989). Psychic equilibrium and psychic change. London: Routledge.

Kernberg, O. (1996). The analyst’s authority in the psychoanalytic situation. Psychaoanalytic Quarterly, 65, 137-157.

Kernberg, O., Selzer, M., Koenigsberg, H., Carr, A. & Appelbaum, A. (1991). Psicoterapia psicodinâmica de pacientes borderline. Porto Alegre: Artes Médicas. (Original publicado em 1989)

Kohut, H. (1988). A restauração do Self. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1977)

Mitchell, S. A. (1997). Influence and autonomy in psychoanalysis. New York: Routledge.

Money-Kyrle, R. (1956/1990). Contratransferência normal e alguns dos seus desvios. In E. B. Spillius (Ed)., Melanie Kleine hoje. Desenvolvimentos da teoria e da técnica. Volume 2: artigos predominentemente técnicos. Rio de Janeiro: Imago.

Pires, A. (2014). Trauma. Uma perspectiva relacional. Se…, não… Revista Portuguesa de Psicanálise e Psicoterapia Psicanalítica, 5(1), 57-76.

Racker, H. (1968). Transference and counter-transference. New York: International University Press.

Rangell, L. (1981). From insight to change. Journal of the American Psychoanalytic Association, 29, 119-141.

Rangell, L. (1992). The psychoanalytic theory of change. International Journal of Psychoanalysis, 53, 415-428.

Reich, W. (1989). Análise do carácter. Lisboa: Dom Quixote. (Original publicado em 1933)

Schafer, R. (1983). The analytic attitude. New York: Basic Books.

Schafer, R. (1992). Retelling a life. New York: Basic Books.

Schafer, R. (2003a). Insight and interpretation. The essential tools of psychoanalysis. London: Karnac.

Schafer, R. (2003b). Bad feelings. London: Karnac.

Wachtel, P. L. (2011). Therapeutic communication. Knowing what to say when. (2 ed.). New York: Guilford.

Wachtel, P. L. (2014). Cyclical psychodynamics and the contextual self: The inner world, the intimate world of culture and society. New York: Routledge.

Winnicott (1975). O brincar e a realidade. Imago: Rio de Janeiro. (Original publicado em 1971)


Apontamentos

  • Não há apontamentos.