O reconhecimento de um “não-lugar” na psicanálise

Hudson Augusto Rodrigues Bonomo, Auterives Maciel Junior

Resumo


Neste artigo, define-se um “não-lugar” na psicanálise a partir de dois conceitos: o virtual e o ponto de afânesis. O sujeito da psicanálise será desafiado em uma movimentação cada vez mais evanescente em relação a proposta de um sujeito do desejo e da falta (falta-a-ser). Uma crítica será elaborada ao longo do texto problematizando as estruturas tradicionais da psicopatologia psicanalítica. A identificação também é questionada, não em sua existência, mas na capacidade de ser traduzida em discurso pelo analisante, que em sua forma mais radical a apresenta destituída de um estado atual, permanecendo virtualizada em contornos nunca vistos na cultura. A potência do analisante se faz presente e o psicanalista tradicional é questionado em sua escuta com o objetivo de trazer à tona uma nova ética para a clínica psicanalítica na contemporaneidade.

Palavras-chave


psicanálise, não-lugar, virtual, afânesis, ética.

Texto completo:

PDF

Referências


Chatelard, D. (dez. de 2001). Algumas considerações sobre o termo afânise a partir de E. Jones e J. Lacan. Ágora, 4(2), 51-59. Acesso em 29 de jun. de 2020, disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982001000200004&lng=en&nrm=iso

Floridi, L. (2015). The Onlife Manifesto. Em L. Floridi (Ed.), The Onlife Manifesto: Being Human in a Hyperconnected Era (pp. 7-13). New York: Springer.

Freud, S. (1931/2010). Sobre a sexualidade feminina. Em S. Freud, Obras Completas Vol. 18: O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias e outros textos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.

Galimberti, U. (2006). Psiche e Techne: o homen na idade técnica. São Paulo: Paulus.

Garcia, L. F. (dez. de 2016). Das Ding e os impasses do objeto: duas fórmulas do desejo em O Seminário, livro 7. Estilos da Clínica, 21(3), 721-735. Acesso em 30 de jun. de 2020, disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282016000300010&lng=pt&nrm=iso

Han, B.-C. (2015). Sociedade do cansaço (2 ed.). Petrópolis: Vozes.

Han, B.-C. (2018). No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

Lacan, J. (1949/1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. Em J. Lacan, Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1956-1957/1995). O seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1957-1958/1999). O seminário, livro 5: as formações do inconsciente. RIo de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1958-1959/2016). O seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1960-1961/2010). O seminário, livro 8: a interpretação. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1962-1963/2005). O seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1964/2008). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1966/1998). Kant com Sade. Em J. Lacan, Escritos (pp. 776-803). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1967/2003). Alocação sobre as psicoses da criança. Em J. Lacan, Outros escritos (pp. 359-368). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (Inédito). O seminário, livro 26: a topologia e o tempo. Acesso em 23 de set. de 2020, disponível em https://www.acheronta.org/lacan/topologiatiempo.htm

Lapoujade, D. (2017). As existências mínimas. São Paulo: N-1 Edições.

Le Breton, D. (2007). Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. (M. Appenzeller, Trad.) Campinas: Papirus.

Lebrun, J.-P. (2008). A perversão comum: viver juntos sem outro. Rio de Janeiro: Campo Matêmico.

Levy, P. (2010). Cibercultura. São Paulo: Ed. 34.

Levy, P. (2011). O que é virtual? (P. Neves, Trad.) São Paulo: Ed. 34.

Nasio, J.-D. (1987/2011). Os olhos de Laura: somos todos loucos em algum recanto de nossas vidas. Rio de Janeiro: Zahar.

Virilio, P. (1993). O espaço crítico. Rio de Janeiro: Ed. 34.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.