A dor crônica entre o silêncio e o grito

Isabel Fortes, Monah Winograd, Clarice Medeiros

Resumo


O artigo pretende refletir sobre a dor crônica, pensando-a como expressão da pulsão de morte. Se, por um lado, a dor crônica é vista, por sua mudez, como pertencente ao domínio silencioso da pulsão de morte, por outro lado ela provoca ruídos que promovem possibilidades de inscrição psíquica daquilo que da pulsão é excesso sem representação. Por isso, a dor crônica é analisada como um grito, uma tentativa de enunciação possível que irrompe quando a palavra não é possível. A dor crônica como expressão da pulsão de morte é analisada em seus aspectos estruturante e desestruturante, respectivamente, como grito e silêncio, numa tentativa de estabelecer um limite e ao mesmo tempo sinal do rompimento do limite.

Palavras-chave


dor crônica; pulsão de morte; grito; signo.

Texto completo:

PDF

Referências


Assoun, P. (2009). Corps et sympotme – leçons de psychanalyse. 3. ed. Paris: Anthropos.

Barreto, M. L. B. (1995). Sobre a experiência de dor. In Letra Freudiana: 100 anos do projeto freudiano, 15, 19-35. Rio de Janeiro: Reverter.

Birman, J. (2003). Dor e sofrimento num mundo sem mediação. Estados gerais da psicanálise: II encontro mundial. Rio de Janeiro.

Carvalho, M. (1999). Dor: um estudo multidisciplinar. São Paulo: Summus.

Ferrater-Mora, J. (2001). Dicionário de filosofia. São Paulo: Loyola.

Fortes, I. (2012). Dor psíquica. Rio de Janeiro: Companhia de Freud.

Freud, S. (1895a/1996). Projeto para uma psicologia cientifica. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Publicações pré-psicanaliticas e esboços inéditos, v. I. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1895b/1996). Estudos sobre a histeria. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Estudos sobre a histeria, v. II. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1895c/1996). Sobre os fundamentos para destacar da neurastenia uma síndrome específica denominada “neurose de angustia”. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Primeiras publicações psicanalíticas, v. III. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1914/1996). Sobre o narcisismo: uma introdução. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. A história do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1915/1996). Os instintos e suas vicissitudes. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. A história do movimento psicanalítico, artigos sobre a metapsicologia e outros trabalhos, v. XIV. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1920/1996). Além do princípio do prazer. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Além do princípio do prazer, psicologia de grupo e outros trabalhos, v. XVIII. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1925/1996). A negativa. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. O ego e o id e outros trabalhos, v. XIX. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1930/1996). Mal-estar na civilização. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. O futuro de uma ilusão, Mal-estar na civilização e outros trabalhos, v. XXI. Rio de Janeiro: Imago.

Freud, S. (1938/1996). Esboço de psicanálise. In Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Moisés e o monoteísmo, Esboço de psicanálise e outros trabalhos, v. XXIII. Rio de Janeiro: Imago.

Hyppolite, J. (1955/1966). Commentaire parlé sur la “Verneinung” de Freud. In Figures de la pensée philosophique, tomo 1, p. 385-396. Paris: Quadrige/PUF.

Garcia-Roza, L. A. (1986). Acaso e repetição em psicanálise: uma introdução à teoria das pulsões. Rio de Janeiro: Zahar.

Green, A. (2011a). Du signe au discours. Paris: Ethaque.

Green, A. (2011b). Le cas limite – De la folie privée aux pulsions de destruction et de mort. Revue Française de Psychanalyse, LXXV(2), 375-390.

IASP. (2004). Why pain control matters in a world full of killer diseases. [Documento da internet, disponível em . Recuperado em 03 mai 2015.

Lacan, J. (1959-1960/2008). O seminário, livro 7: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1964/2008). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Marblé, J. (2011). La douleur, dernière frontière? Revue Eres Psychanalyse, 20, 41-51.

Merskey, H. & Bogduk, N. (1994). Classification of chronic pain. Seattle: IASP Press.

Nasio, J. D. (2008). A dor física. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Nicolau, R. F. (2008). A psicossomática e a escrita do real. Revista mal-estar e subjetividade, VIII(4), 959-990.

Oliveira, M. C. A. (2000). Desde Freud... no somático, o psíquico. Letra freudiana – O corpo da psicanálise, 27, 25-37.

Peirce, C. S. (2000). Semiótica. São Paulo: Perspectiva.

Pontalis, J. (2005). Entre o sonho e a dor. São Paulo: Ideias e Letras.

Santos, N. A & Rudge, A. M. (2014). Dor na psicanálise – física ou psíquica? Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 17(3), 450-468.

Slompo, T. K. M. S. & Bernardino, L. M. F. (2006). Estudo comparativo entre o quadro clínico contemporâneo “fibromialgia” e o quadro clínico “histeria” descrito por Freud no século XIX. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 9(2), 263-278.

Winograd, M, Klautau, P. & Sollero-de-Campos, F. (no prelo). O que pode a psicanálise com pacientes neurológicos. In Monah Winograd & M. Virgínia F. Cremasco (Orgs.), O que pode a psicanálise. Rio de Janeiro: Cia de Freud.

Vidal, M. C. V. (1995). O Outro primordial no projeto freudiano. Letra Freudiana 15: 100 anos do projeto freudiano, 15, 13-18. Rio de Janeiro: Revinter.

Zanotti, S. V., Belhauser, A., Gaspard, J. & Besset, V. L. (2013). Aux limites de l’hystérie, la douleur chronique. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 16(3), 425-437.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.