Acolher a diferença: a função da bissexualidade psíquica na construção da subjetividade

Autores

Palavras-chave:

bissexualidade psíquica, diferença, feminino, masculino, subjetividade

Resumo

O presente artigo tem como objetivo explorar a relevância metapsicológica e a atualidade da noção de bissexualidade psíquica, presente na psicanálise desde sua origem e considerada por Freud fator decisivo da sexualidade humana. Embora retomada pelos sucessores de Freud e sempre mencionada no debate psicanalítico contemporâneo, esta noção permanece hoje com a complexidade e ambiguidades teóricas evidenciadas no texto freudiano. Fato que parece reforçar as resistências ao conceito, amplificadas nas discussões sobre as diversidades sexuais e de gênero e na crítica ao dualismo freudiano. Pretende-se neste estudo apresentar a bissexualidade psíquica como um conceito fundamental e ordenador dos processos de subjetivação e do reconhecimento da alteridade. Para tal, realizamos um percurso pelos textos de Freud e seus desdobramentos teóricos, seguindo a trilha de psicanalistas que procuraram novas leituras para o enigma da bissexualidade. Destacamos as ideias de Winnicott e Bion, autores que buscaram um diálogo entre a teoria pulsional e a das relações de objeto como solução para as ambiguidades teóricas deixadas por Freud. Resgatamos, desse modo, nossa aposta de que a bissexualidade, para além de uma disposição constitucional, inscreve-se no psiquismo originário através da relação do sujeito com seus objetos primários e tem função organizadora nos processos de subjetivação, na medida em que abre caminho para a coexistência desses objetos na vida psíquica.

Biografia do Autor

Cláudia Aparecida Carneiro, Universidade de Brasília

Mestre em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília. Psicóloga e psicanalista, membro associado da Sociedade de Psicanálise de Brasília e International Psychoanalytical Association.

Eliana Rigotto Lazzarini, Universidade de Brasília

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília, com Pós-Doutorado pela Université Sorbonne Paris XIII. Mestre em Psicologia Clínica pela Universidade de Brasília. Professora Adjunta do Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.

Referências

André, J. (1996). As origens femininas da sexualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

André, J. (2015). L’anatomie imaginaire, c’est le destin. Revue française de psychanalyse, 79(5), 1713-1717. doi:10.3917/rfp.795.1713

Ainsworth, C. (2015). Sex redefined. Nature, 518, 288-291. doi:10.1038/518288a

Ayouch, T. C. (2015). Psicanálise e homossexualidades: teoria, clínica, biopolítica. Curitiba: CRV.

Bion, W. R. (1991). O aprender com a experiência. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1962)

Bion, W. R. (1994). Estudos psicanalíticos revisados – Second thoughts. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1967)

Ceccarelli, P. R. (2005). Bissexualidade. In A. Mijolla (Ed.), Dicionário Internacional de Psicanálise: conceitos, noções, biografias, obras, eventos, instituições (pp. 240-241). Rio de Janeiro: Imago.

Chabert, C. (2016). Dis-moi qui tu préfères ?. Le Carnet PSY, 196(2), 20-24. doi:10.3917/lcp.196.0020

Chasseguet-Smirgel, J. (1988). A sexualidade feminina: uma abordagem psicanalítica contemporânea. Porto Alegre: Artes Médicas.

David, C. (1992). La bisexualité psychique. Paris : Éditions Payot.

David, C. (1997). Bisexualité psychique et bisexualité de comportement. In A. Fine, D. Le Bouef, & A. Le Guen (Eds.), Bisexualité. Monographies de psychanalyse (pp. 147-154). doi: 10.3917/puf.finea.1997.01.0147

Delouya, D. (2003). A bissexualidade no eixo da escuta psicanalítica: considerações teóricas acerca da clínica. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 6(2), 205-214. http://dx.doi.org/10.1590/s1516-14982003000200002

Freud, S. (1987). Análise terminável e interminável. In Freud, S. [Autor], Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. XXIII. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1937)

Freud, S. (2010). “Batem numa criança”: contribuição ao conhecimento da gênese das perversões sexuais. In Freud, S. [Autor], História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920), v. 14. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1919)

Freud, S. (2010). A feminilidade. In Freud, S. [Autor], O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936), v. 18. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1933)

Freud, S. (2010). História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”). In Freud, S. [Autor], História de uma neurose infantil (“O homem dos lobos”), Além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920), v. 14. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1918)

Freud, S. (2010). O mal-estar na civilização. In Freud, S. [Autor], O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936), v. 18. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1930)

Freud, S. (2010). Sobre a sexualidade feminina. In Freud, S. [Autor], O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936), v. 18. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1931)

Freud, S. (2011). Algumas consequências psíquicas da diferença anatômica entre os sexos. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 16: O eu e o id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1925a)

Freud, S. (2011). Autobiografia. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 16: O eu e o id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1925b)

Freud, S. (2011). O eu e o id. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 16: O eu e o id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1923a)

Freud, S. (2011). A organização genital infantil. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 16: O eu e o id, “autobiografia” e outros textos (1923-1925). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1923b)

Freud, S. (2015). As fantasias histéricas e sua relação com a bissexualidade. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 8: O delírio e os sonhos de Gradiva, Análise da fobia de um garoto de cinco anos e outros textos (1906-1909). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1908)

Freud, S. (2016). Análise fragmentária de uma histeria [“O caso Dora”]. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 6: três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1905a)

Freud, S. (2016). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In Freud, S. [Autor], Obras completas, volume 6: três ensaios sobre a teoria da sexualidade, análise fragmentária de uma histeria (“O caso Dora”) e outros textos (1901-1905). São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1905b)

Glocer Fiorini, L. (2015). La diferencia sexual en debate: cuerpos, deseos y ficciones. Buenos Aires: Lugar Editorial.

Glocer Fiorini, L. (2017). Novas configurações familiares: funções materna e paterna. In C. S. Holovko & C. M. Cortezzi (Orgs.), Sexualidades e gênero: desafios da psicanálise (pp. 81-92). São Paulo: Blucher.

Green, A. (1997). A intuição do negativo em O brincar e a realidade. Int. J. Psycho-Anal, 78, 1071-1084. Livro Anual de Psicanálise, 13, 239-251.

Green, A. (2008). Orientações para uma psicanálise contemporânea. (P. C. Sandler, Org.). Rio de Janeiro: Imago; São Paulo: SBPSP Depto. de Publicações.

Guignard, F. (2009). Entrevista com Florence Guignard: Processos identificatórios do masculino e do feminino. Jornal de Psicanálise, 42(77), 23-29.

Haber, M. (1997). Identité, bisexualité psychique et narcissisme. In A. Fine, D. Le Bouef, & A. Le Guen (Eds.), Bisexualité. Monographies de psychanalyse (pp. 49-68). doi: 10.3917/puf.finea.1997.01.0049

Horney, K. (1967). Feminine Psychology. New York: The Norton Library.

Jorge, M. A. (2005). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan, vol. 1: as bases conceituais. Rio de Janeiro: Zahar.

Kehl, M. R. (2008). Deslocamentos do feminino. Rio de Janeiro: Imago.

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1964)

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 5: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1957-1958)

Lins, M. I. (1999). Término da análise em Freud e em Winnicott. Natureza humana, 1(1), 75-89. Recuperado em 10/03/2018 em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-24301999000100005&lng=pt&tlng=pt

Masson, J. M. (Ed.). (1986). A correspondência completa de Sigmund Freud para Wilhelm Fliess – 1887-1904. Rio de Janeiro: Imago. (Textos originais de 1887 a 1904)

Mezan, R. (2014). O tronco e os ramos. São Paulo: Companhia das Letras.

Perelberg, R. J. (2018). Psychic Bisexuality: a British-French dialogue. Abingdon, Oxon; New York, NY: Routledge.

Roudinesco, E., & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Roudinesco, E. (2016). Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo. Rio de Janeiro: Zahar.

Schaeffer, J. (2002). Bisexualité et différence des sexes dans la cure. Topique 2002/1, 78, 21-32. doi: 10.3917/top.078.0021.A

Schaeffer, J. (2009). Do masculino e do feminino como co-construção de casal. Jornal de Psicanálise, 42(76), 107-119.

Schneider, M. (2006). Le paradigme féminin. Paris: Flammarion-Champs.

Stoller, R. J. (1993). Masculinidade e feminilidade: apresentações do gênero. Porto Alegre: Artes Médicas.

Vieira, L. F. (2009). As múltiplas faces da homossexualidade na obra freudiana. Revista Mal-estar e Subjetividade, 9 (2), 487-525.

Winnicott, D. W. (1975). Objetos transicionais e fenômenos transicionais. In D. W. Winnicott, O Brincar e a Realidade. Rio de Janeiro: Imago (Original publicado em 1951)

Winnicott, D. W. (1975). Os elementos masculino e feminino expelidos (split-off) encontrados em homens e mulheres. In D. W. Winnicott, O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1971)

Winnicott, D. W. (2000). Da pediatra à psicanálise: Obras escolhidas. Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1958)

Downloads

Publicado

2020-07-20

Edição

Seção

Artigos