O reconhecimento de um “não-lugar” na psicanálise

Autores

Palavras-chave:

psicanálise, não-lugar, virtual, afânesis, ética.

Resumo

Neste artigo, define-se um “não-lugar” na psicanálise a partir de dois conceitos: o virtual e o ponto de afânesis. O sujeito da psicanálise será desafiado em uma movimentação cada vez mais evanescente em relação a proposta de um sujeito do desejo e da falta (falta-a-ser). Uma crítica será elaborada ao longo do texto problematizando as estruturas tradicionais da psicopatologia psicanalítica. A identificação também é questionada, não em sua existência, mas na capacidade de ser traduzida em discurso pelo analisante, que em sua forma mais radical a apresenta destituída de um estado atual, permanecendo virtualizada em contornos nunca vistos na cultura. A potência do analisante se faz presente e o psicanalista tradicional é questionado em sua escuta com o objetivo de trazer à tona uma nova ética para a clínica psicanalítica na contemporaneidade.

Biografia do Autor

Hudson Augusto Rodrigues Bonomo, Universidade Santa Úrsula Universidade Veiga de Almeida

Doutorando em Psicanálise, Saúde e Sociedade - Universidade Veiga de Almeida (UVA)
M.Sc. Engenharia Mecânica (COPPE/UFRJ)
Pós-graduado em Clínica Psicanalítica na Universidade Santa Úrsula (USU)
Psicanalista e Membro Associado da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle (SPID)
Coordenador Geral e Professor da Especialização em Teoria Psicanalítica e da Especialização em Prática Clínica Psicanalítica Institucional da Universidade Santa Úrsula (USU)

Auterives Maciel Junior, Universidade Veiga de Almeida

Doutor em Teoria Psicanalítica - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Pós-doutor em Memória, Pensamento e Criação na filosofia, na psicanálise e no Cinema contemporâneo pelo Programa de Pós-Graduação em Memória: Linguagem e Sociedade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Mestre em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Membro Associado da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle (SPID). Professor do Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e no Programa de Pós-Graduação (mestrado e doutorado) interdisciplinar em Psicanálise, Saúde e Sociedade da Universidade Veiga de Almeida (UVA).

Referências

Chatelard, D. (dez. de 2001). Algumas considerações sobre o termo afânise a partir de E. Jones e J. Lacan. Ágora, 4(2), 51-59. Acesso em 29 de jun. de 2020, disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-14982001000200004&lng=en&nrm=iso

Floridi, L. (2015). The Onlife Manifesto. Em L. Floridi (Ed.), The Onlife Manifesto: Being Human in a Hyperconnected Era (pp. 7-13). New York: Springer.

Freud, S. (1931/2010). Sobre a sexualidade feminina. Em S. Freud, Obras Completas Vol. 18: O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias e outros textos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras.

Galimberti, U. (2006). Psiche e Techne: o homen na idade técnica. São Paulo: Paulus.

Garcia, L. F. (dez. de 2016). Das Ding e os impasses do objeto: duas fórmulas do desejo em O Seminário, livro 7. Estilos da Clínica, 21(3), 721-735. Acesso em 30 de jun. de 2020, disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282016000300010&lng=pt&nrm=iso

Han, B.-C. (2015). Sociedade do cansaço (2 ed.). Petrópolis: Vozes.

Han, B.-C. (2018). No enxame: perspectivas do digital. Petrópolis: Vozes.

Lacan, J. (1949/1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. Em J. Lacan, Escritos (pp. 96-103). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1956-1957/1995). O seminário, livro 4: a relação de objeto. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1957-1958/1999). O seminário, livro 5: as formações do inconsciente. RIo de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1958-1959/2016). O seminário, livro 6: o desejo e sua interpretação. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1960-1961/2010). O seminário, livro 8: a interpretação. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1962-1963/2005). O seminário, livro 10: a angústia. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1964/2008). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1966/1998). Kant com Sade. Em J. Lacan, Escritos (pp. 776-803). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (1967/2003). Alocação sobre as psicoses da criança. Em J. Lacan, Outros escritos (pp. 359-368). Rio de Janeiro: Zahar.

Lacan, J. (Inédito). O seminário, livro 26: a topologia e o tempo. Acesso em 23 de set. de 2020, disponível em https://www.acheronta.org/lacan/topologiatiempo.htm

Lapoujade, D. (2017). As existências mínimas. São Paulo: N-1 Edições.

Le Breton, D. (2007). Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. (M. Appenzeller, Trad.) Campinas: Papirus.

Lebrun, J.-P. (2008). A perversão comum: viver juntos sem outro. Rio de Janeiro: Campo Matêmico.

Levy, P. (2010). Cibercultura. São Paulo: Ed. 34.

Levy, P. (2011). O que é virtual? (P. Neves, Trad.) São Paulo: Ed. 34.

Nasio, J.-D. (1987/2011). Os olhos de Laura: somos todos loucos em algum recanto de nossas vidas. Rio de Janeiro: Zahar.

Virilio, P. (1993). O espaço crítico. Rio de Janeiro: Ed. 34.

Downloads

Publicado

2022-01-14

Edição

Seção

Artigos