Psicanálise e gêneros: reflexões sobre as produções psicanalíticas entre as décadas de 1980-1990

Autores

  • Marcos Leandro Klipan Universidade Estadual de Maringá Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Palavras-chave:

Psicanálise, Gêneros, Historiografia Psicanalítica

Resumo

Este artigo tem o objetivo de investigar publicações psicanalíticas em diálogo com o tema dos gêneros. Isso porque percebemos que houve um aumento significativo dessas produções nos principais periódicos do mundo a partir do início dos anos 2000. Partimos da hipótese de que as teorias feministas podem ter convocado a Psicanálise a responder as críticas que recebeu nas décadas anteriores. Baseamos nossa pesquisa na metodologia conhecida como historiografia psicanalítica e procedemos com o recorte temporal correspondente aos anos de 1986 a 1997, uma vez que esse período se referiu às primeiras publicações psicanalíticas identificadas nesse aumento de produções já mencionado, mas que ainda não versaram diretamente a um diálogo mais profundamente político.   

Biografia do Autor

Marcos Leandro Klipan, Universidade Estadual de Maringá Programa de Pós-Graduação em Psicologia

Professor adjunto do Departamento de Psicologia da UEM

Programa de Pós-graduação em Psicologia da UEM

Referências

Abrão, J. L. F. (2007). Por um modelo metodológico de historiografia em Psicanálise. Pulsional: Revista de Psicanálise, XX(189), 5–16.

Barth, F. D. (1993). Conflicts over selfishness: One aspect of some women’s wish for a baby. Psychoanalytic Psychology, 10(2), 169–185. https://doi.org/10.1037//0736-9735.10.2.169

Bergmann, M. S. (1986). Freud’s three theories of love in the light of later developments. Journal of the American Psychoanalytic Association, 36(3), 653–672.

Birman, J. (1978). A psiquiatria como discurso da moralidade. Edições Graal.

Bleiberg, E., Jackson, L., & Ross, J. (1986). Gender Identity Disorder and Object Loss. Journal of the American Academy of Child Psychiatry, 25(1), 58–67. https://doi.org/10.1016/S0002-7138(09)60599-9

Butler, J. (2015). Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ceccarelli, P. (2005). O sofrimento psíquico na perspectiva da Psicopatologia Fundamental. Psicologia Em Estudo, 10(3), 471–477.

Chessick, R. D. (1988). Thirty unresolved psychodynamic questions pertaining to feminine psychology. American Journal of Psychotherapy, 86–95.

Chodorow, N. (1978). The reproduction of mothering. University of California Press.

Crépault, C. (1995). The sexoanalytical treatment of ego-dystonic homosexuality. Journal of Sex and Marital Therapy, 21(2), 116–126. https://doi.org/10.1080/00926239508404390

de Almeida, P. T., de Castro, M. F., & Ribeiro, S. D. (2020). Teorizar, repetir e patologizar: a leitura psicanalítica sobre as homossexualidades e transexualidades. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 23(1), 77–98. https://doi.org/10.1590/1415-4714.2020V23N1P77.6

Diamond, D. (1992). Gender-specific transference reactions of male and female patients to the therapist’s pregnancy. Psychoanalytic Psychology, 9(3), 319–345. https://doi.org/10.1037//0736-9735.9.3.319

Ellis, M. L. (1997). Who speaks? Who listens? Different voices and different sexualities. British Journal of Psychotherapy, 13(3), 369–383. https://doi.org/10.1111/j.1752-0118.1997.tb00323.x

Foucault, M. (2015). História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freeman, T. (1990). Psychoanalytical aspects of morbid jealousy in women. British Journal of Psychiatry, 156(JAN.), 68–72. https://doi.org/10.1192/bjp.156.1.68

Freud, S. (1996a). A dissolução do complexo de Édipo. In S. Freud (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas - Jayme Salomão, trad. vol. XIX. Editora Imago. (Originalmente publicado em 1924)

Freud, S. (1996b). A organização genital infantil (uma interpolação da teoria da sexualidade). In S. Freud (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas - Jayme Salomão, trad. vol. XIX. Editora Imago. (Obra originalmente publicada em 1923)

Freud, S. (1996c). Conferencia XXXIII – Feminilidade. In S. Freud (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas - Jayme Salomão, trad. vol. XXII. Editora Imago. (Originalmente publicado em 1933)

Freud, S. (1996d). Sexualidade feminina. In S. Freud (Ed.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas - Jayme Salomão, trad. vol. XXI: Vol. XXI. Editora Imago. (Originalmente publicado em 1931)

Freud, S. (2010). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In Obras completas (Ed.), (Paulo César de Souza, trad., vol. 6) (pp. 13–154). Companhia das Letras. (Originalmente publicado em 1905)

Jordan, K. M., & Deluty, R. H. (1995). Clinical interventions by psychologists with lesbians and gay men. Journal of Clinical Psychology, 51(3), 448–456. https://doi.org/10.1002/1097-4679(199505)51:3<448::AID-JCLP2270510321>3.0.CO;2-8

Kimmel, M. S., & Kaufman, M. (1993). The new men’s movement: Retreat and regression with America’s weekend warriors. Feminist Issues, 13(2), 3–21. https://doi.org/10.1007/BF02685732

Klein, M. (1996). Estágios iniciais do complexo de edipiano. In Edição Brasileira das Obras Completas de Melanie Klein (Ed.), (André Cardoso, Trad., vol. I). Editora Imago. (Obra originalmente publicada em 1928)

Klein, M. (1997). A psicanálise de crianças. In Edição Brasileira das Obras Completas de Melanie Klein (Ed.), Liana Pinto Chaves, trad., vol. II. Editora Imago. (Obra originalmente publicada em 1932)

Klein, M. (2006). Inveja e gratidão. In Edição Brasileira das Obras Completas de Melanie Klein (Ed.), (Belinda H. Mandelbaum; Maria Elena Salles de Brito; Octávio L. de Barros Salles; Maria Tereza B. Marcondes Godoy; Viviana S. S. Starzynski e Wellington Marcos de Melo Dantas, tradutores., vol III). Editora Imago.

Klipan, M. L. (2015). Noção de feminilidade em Melanie Klein: subjetivações para além de um registro fálico.

Kulish, N. M. (1989). Gender and transference: conersation with famale analysts. Psychoanalytic Psychology, 6(1), 59–71.

Laplanche, J. (2015). O gênero, o sexo e o Sexual. In Sexual: a sexualidade ampliada no sentido freudiana (pp. 154–189). Dublinense.

Lattanzio, F. F., & Ribeiro, P. de C. (2018). Nascimento e primeiros desenvolvimentos do conceito de gênero. Psicologia Clínica, 30(3), 409–425.

Mendoza, S. (1997). Genitality and genital homosexuality: Criteria of selection of homosexual candidates. British Journal of Psychotherapy, 13(3), 384–394. https://doi.org/10.1111/j.1752-0118.1997.tb00324.x

Mens-Verhulst, J. van. (1995). Reinventing the mother-daughter relationship. American Journal of Psychotherapy, 49(4), 526–539.

Money, J. (1955). Hermaphroditism, gender and precocity in hyperadrenocorticism: psychologic findings. Bulletin of the Johns Hopkins Hospital, 96, 253–264.

Pollack, W. S. (1990). Men’s development and psychotherapy: A psychoanalytic perspective. Psychotherapy, 27(3), 316–321.

Pollack, W. S. (1992). Should Men Treat Women? Dilemmas for the Male Psychotherapist. Ethcis & Behaviour, 2(1), 39–49.

Porchat, P. (2014). Psicanálise e transexualismo: desconstruindo gêneros e patologias com Judith Butler. Juruá.

Rubin, G. (1975). The traffic in women: notes on the political economy of sex. In R. Reiter (Ed.), Toward an Anthropology of Women. Monthly Review Press.

Savin-Williams, R. C. (1988). Theoretical perspectives accounting for adolescent homosexuality. [Review] [80 refs]. Journal of Adolescent Health Care, 9(2), 95–104.

Somerville, J. (1989). The sexuality of men and the sociology of gender. The Sociological Review, 37(2), 277–307.

Stoller, R. (1993). Masculinidade e feminilidade: apresentações de gênero. Artes Médicas.

Sugar, M. (1995). A clinical approach to childhood gender identity disorder. American Journal of Psychotherapy, 49(2), 260–281.

Weisstub, E. B. (1997). Self as the feminine principle. Journal of Analytical Psychology, 42(3), 425–458. https://doi.org/10.1111/j.1465-5922.1997.00425.x

Downloads

Publicado

2023-01-04

Edição

Seção

Artigos