A construção da parentalidade diante do diagnóstico em bebês: da indefinição à nomeação

Autores

  • Maycon Andrade Fraga Universidade de São Paulo - USP
  • Helena Maria Medeiros Lima Universidade de São Paulo - USP
  • Maria Cristina Machado Kupfer Universidade de São Paulo - USP

Palavras-chave:

parentalidade, diagnóstico de bebês, psicanálise, atuação do psicanalista

Resumo

O presente artigo parte de uma experiência de um psicólogo e psicanalista em uma instituição pública de saúde, no setor de estimulação e intervenção precoce, para discutir a construção da parentalidade daqueles pais que possuem um filho com atraso no desenvolvimento e cujo diagnóstico ainda não foi nomeado pela medicina. Para tanto, articula-se parentalidade e laço social para discorrer acerca do efeito da nomeação do diagnóstico médico na assunção da posição parental. Em seguida, analisam-se os eventuais efeitos psicológicos nos pais diante da espera e da revelação do diagnóstico: o sofrimento e o luto. Assim, serão apresentadas duas vinhetas clínicas em que se explicita o manejo do psicanalista e os desdobramentos no fluxo institucional. Ao se considerar a clínica psicanalítica com bebês, sugere-se que a indefinição e a nomeação do diagnóstico têm diferentes desdobramentos no enlace entre pais e filhos, o que não significa que necessita ser rechaçado, pois aqui consideramos um aspecto inerente ao atendimento clínico dessas crianças na prática institucional. Conclui-se ressaltando a necessária presença de um analista nesse momento de passagem e nomeação do diagnóstico.

Biografia do Autor

Maycon Andrade Fraga, Universidade de São Paulo - USP

Psicanalista. Psicólogo. Mestrando em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP-USP). Especialista em Psicanálise e Saúde pelo Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein. Pesquisador do grupo “Psicanálise e Intervenções Escolares” (IP-USP e FE-USP) e do grupo "Gemelar" (LABPSI-USP e Instituto Sedes Sapientiae). Membro do Laboratório de Psicanálise, Saúde e Instituição (LABPSI-USP).

Helena Maria Medeiros Lima, Universidade de São Paulo - USP

Psicanalista, PhD em Saúde Pública e Bióloga pela USP, Pós-Doutora em Educação: Psicologia da Educação, Mestre em Psicologia Social e Psicóloga pela PUC/SP; Pesquisadora do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise - LATESFIP/USP; Coordenadora e Docente do curso Fundamentos da Psicanálise - Moçambique; Docente do Instituto de Ensino de Psicanálise e Educação - ESPE; psicóloga clínica na Folha de São Paulo e supervisora do projeto Ombro Amigo na GM - General Motors do Brasil.

Maria Cristina Machado Kupfer, Universidade de São Paulo - USP

Psicanalista, professora titular senior do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo e fundadora do Lugar de Vida - Centro de Educação Terapêutica.  É bolsista de produtividade do CNPq. Co-fundadora do Lepsi — Laboratório Interunidades de Estudos e Pesquisas Psicanalíticas e Educacionais sobre a infância, IP-FE/USP. Membro da Association Analyse Freudienne, na França, e editora da Revista “Estilos da Clínica” (USP). 

Referências

Bernardino, L.M.F. (2020). A concepção lacaniana de sujeito. In: D. Teperman, T. Garrafa, V. Iaconelli (orgs). Laço. (pp. 27-36, Coleção Parentalidade e Psicanálise). 1 ed. Vol. V. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Bialer, M. (2016). A loucura materna e o laço mãe-bebê. In: S. Rabello & M. Bialer (orgs). Laço mãe-bebê: intervenções e cuidados. (pp. 195-211). São Paulo, SP: Primavera Editorial.

Brasil. Ministério da Economia. Instituto Nacional do Seguro Social – INSS. Benefício assistencial à pessoa com deficiência (BPC). Brasília: 2020. Recuperado em 10 de outubro de 2021, https://www.gov.br/inss/pt-br/saiba-mais/beneficios-assistenciais/beneficio-assistencial-a-pessoa-com-deficiencia-bpc

Brasil. Ministério da Saúde. Diário oficial da união – Seção 1. Portaria nº 1.319, de 4 de dezembro de 2018. Ed. 233. Brasília: 2018. 51 p. Nº 233. Recuperado em 10 de outubro de 2021, https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/%20content/id/53494529/do1-2018-12-05-portaria-n-1-319-de-4-de-dezembro-de-2018-53494429

Catão, I., & Vivès, J-M. (2011). Sobre a escolha do sujeito autista: voz e autismo. Estudos de Psicanálise, (36), 83-92. Recuperado em 09 de outubro de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-34372011000300007&lng=pt&tlng=pt.%2028

Dunker, C.I.L. (2000). Clínica, linguagem e subjetividade. Distúrbios da Comunicação [online],12(1): 39-60. Recuperado em 09 de outubro de 2021, de https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/11230/22788

Dunker, C.I.L. (2011). Estrutura e constituição da clínica psicanalítica: Uma arqueologia das práticas de cura, psicoterapia e tratamento. (1a ed.) São Paulo, SP: Annablume (Coleção Ato Psicanalítico).

Dunker, C.I.L. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. (1a ed.) São Paulo, SP: Boitempo (Coleção Estado de Sítio).

Dunker, C.I.L. (2020). Economia libidinal da parentalidade. In: D. Teperman, T. Garrafa, V. Iaconelli (orgs). Parentalidade. (pp. 39-54, Coleção Parentalidade e Psicanálise). 1 ed. Vol. 1. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Foucault, M. (1977). O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, RJ: Forense Universitária.

Foucault, M, (1989). Microfísica do poder. 8. ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Freud, S. (2010a). Introdução ao narcisismo. (1914). In: S. Freud. Obras completas: Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916) (Paulo César Souza, trad., Vol. 12, pp. 13-50). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado em 1914).

Freud, S. (2010b). Luto e Melancolia (1917 [1915]). In: S. Freud. Obras completas: Introdução ao narcisismo, ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916) (Paulo César Souza, trad., Vol. 12, pp. 170-194). São Paulo, SP: Companhia das Letras. (Trabalho original publicado 1915).

Garrafa, T. (2019). Os pais chegam antes. In: Dossiê: Parentalidade e vulnerabilidades: Condições, impasses e saídas no exercício da parentalidade em nossa época. Revista Cult. 2(251), 27-29.

Garrafa, T (2020). Primeiros tempos da parentalidade. In: D. Teperman, T. Garrafa, V. Iaconelli (orgs). Parentalidade. (pp. 55-70, Coleção Parentalidade e Psicanálise). 1 ed. Vol. 1. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Hilferding, M. (1911). CONFERÊNCIA: Sobre as bases do amor materno. In: M. Hilferding, T. Pinheiro & H. B. Vianna. (1991). As bases do amor materno. (pp. 89-101). São Paulo, SP: Escuta.

Iaconelli, V. (2019). Apresentação. In: Dossiê: Parentalidade e vulnerabilidades: Condições, impasses e saídas no exercício da parentalidade em nossa época. Revista Cult. 2(251), 20-22.

Jerusalinksy J. (2002). Enquanto o futuro não vem: A psicanálise na clínica interdisciplinar com bebês. (3a ed.). Salvador, BA: Ágalma.

Kupfer, M. C. M., Jerusalinsky, A. N., Bernardino, L. M. F., Wanderley, D., Rocha, P. S. B., Molina, S. E., et al. (2009). Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology, 6(1), 48-68. Recuperado de http://www.fundamentalpsychopathology.org/journal/v06n01/valor.pdf

Kupfer, M.C.M. & Fraga M.A. (2021). O que o atendimento de crianças pequenas pode nos ensinar sobre a transferência no autismo. In: Barbosa D.C. (org). Clínica psicanalítica de crianças e bebês: relatos de uma práxis. (pp. 111-128). Alagoinhas, BA: Editora Balbucio.

Lacan, J. (1992). O Seminário. Livro 17: O avesso da psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1969-1970).

Lacan J. (2003a). Os complexos familiares na formação do indivíduo. In: Lacan, J. Outros escritos. (pp. 29-90). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1938).

Lacan J. (2003b). Nota sobre a criança. In: Lacan, J. Outros escritos. (pp. 369-370). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1969).

Lacan, J. (2003c). O aturdito. In: Lacan, J. Outros Escritos (pp. 448-497). Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1973).

Lacan J. (2005). O Seminário. Livro 10: A angústia. Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Campo freudiano no Brasil). Trabalho original publicado em 1962-1963).

Moretto, M.L.T. (2019). Abordagem Psicanalítica do Sofrimento nas Instituições de Saúde. 1 ed. São Paulo, SP: Zagodoni.

Rosa, M. D. & Lacet, C. (2012). A criança na contemporaneidade: entre saber e gozo. Estilos da Clínica, 17(2), 359-372. Recuperado em 09 de outubro de 2021, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282012000200012&lng=pt&tlng=pt

Silva, M.C.P. da. (2004). Prefácio à Edição Brasileira. In: Silva, M.C. P. da (Org.). Ser pai, ser mãe. Parentalidade: um desafio para o terceiro milênio. (pp. 9-10). Trad. L. Solis-Ponton. 1 ed. São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Soler, C. (2003). O que Lacan dizia das mulheres [livro eletrônico]. 1 ed. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Soler, C. (2009). Os nomes da identidade. Trivium: Estudos interdisciplinares psicanálise e cultura, 1(1), 171-177. Recuperado em 15 de outubro de 2021, de https://silo.tips/download/os-nomes-da-identidade-1-colette-soler

Souza, M.L.R. (1999) Os diferentes discursos na instituição hospitalar. Percurso: Revista de Psicanálise, 12 (23): 35-42. Recuperado em 09 de outubro de 2021, de http://revistapercurso.uol.com.br/pdfs/p23_texto04.pdf

Teperman, D. W. (2014). Família, parentalidade e época: um estudo psicanalítico. (1a ed.). São Paulo, SP: Escuta/Fapesp.

Vieira, M. A. (2001). Dando nome aos bois, sobre o diagnóstico em psicanálise. In: A. C. Figueiredo. (Org.). Psicanálise - pesquisa e clínica. (1a ed.). Rio de Janeiro, RJ: IPUB/UFRJ v. (1):171-181. Recuperado em 15 de outubro de 2021, de http://www.litura.com.br/artigo_repositorio/dando_nomes_aos_bois_pdf_1.pdf

Downloads

Publicado

2023-09-29

Edição

Seção

Artigos